Sexta-feira, 20 de Abril de 2012

 

 

freedom
 
liberty
 
latitude
 
independence
 
Yves Rossy
 
 

* * *

 

LIBERTY 1

 

* * *

 

* * *

 

LIBERTY 2

 

* * *

 

 See more HERE!

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 1 de Março de 2012

 

 

'Take your passion
.

and make it happen.
.

Pictures come alive,

.

you can dance right through your life.'

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 19:53
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 21 de Janeiro de 2012

 

 

... Acredita em Ti!

 

 

Faz uso das tuas asas e Voa!

 

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 


Supera-te!

 

 

 

Vai. Faz. Arrisca. VIVE!

 

 

Supera-te.

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 23:40
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 
 

A reminder of the important things in life
 
 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

 

 

"I Just Want to Make Love to You", um tema escrito por Willie Dixon em 1954 e inicialmente interpretado por Muddy Waters, ficou famoso na voz de Etta James em 1961, quando incorporou o tema no seu primeiro álbum

'At Last!'.

 

* * *

 

 

 

* * *

 

"And I can tell by the way you walk that walk

 

I can hear by the way you talk that talk

 

I can know by the way you treat your girl

 

That I can give you all the lovin in the whole wide world"

 

 

* * *

 

 I Just Wanna Make Love to You

Etta James

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:15
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 9 de Junho de 2011

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

 

 

To ride a horse is to ride the sky.

 

[Namibian Proverb]

 

 

Categorias: , , ,
publicado por Cleópatra M.P. às 00:32
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 31 de Maio de 2011

 

* * *

 

 

* * *

 

A partir de um certo ponto, não há retorno. Este é o ponto que é preciso alcançar.

 

Franz Kafka

 

publicado por Cleópatra M.P. às 15:59
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 21 de Abril de 2011

 

 
* * *
 
* * *
 
"We all have wings, but it's up to each one of us
 
to have the courage to fly."
 
Miranda Kerr 
 
publicado por Cleópatra M.P. às 15:49
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 23 de Março de 2011

 

 

                            * * *

 

.

 

                           * * *

.

publicado por Cleópatra M.P. às 22:55
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011

 

 

"Pride can stand a thousand trials
The strong will never fall
But watching stars without you
My soul cries

Heaving heart is full of pain
Oooh, oooh, the aching
'Cause I'm kissing you, oooh
I'm kissing you, oooh

Touch me deep, pure and true
Give to me forever
'Cause I'm kissing you, oooh
I'm kissing you, oooh

Where are you now
Where are you now
'Cause I'm kissing you
I'm kissing you, oooh"

 

 

Kissing You, Des'ree & Craig Armstrong

 

 

* * *


Des'ree - I'm Kissing You

 

                               * * *

publicado por Cleópatra M.P. às 22:58
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011

 

 

* * *

The Korgis - Everybody's Got To Learn Sometime

 

* * *

 

"Que o meu coração esteja sempre aberto às pequenas
aves que são os segredos da vida
o que quer que cantem é melhor do que conhecer
e se os homens não as ouvem estão velhos

que o meu pensamento caminhe pelo faminto
e destemido e sedento e servil
e mesmo que seja domingo que eu me engane
pois sempre que os homens têm razão não são jovens

e que eu não faça nada de útil
e te ame muito mais do que verdadeiramente
nunca houve ninguém tão louco que não conseguisse
chamar a si todo o céu com um sorriso"


E. E. Cummings, in  Livrodepoemas

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 23:40
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011

 

* * *

 

                            * * *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 15:34
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 6 de Fevereiro de 2011

 

 

Lembrei-me do belo clássico de Lou Reed.

 

 

 


Lou Reed - Perfect Day

 

 

 

Just a perfect day
drink Sangria in the park
And then later
when it gets dark, we go home

Just a perfect day
feed animals in the zoo
Then later
a movie, too, and then home

Oh, it's such a perfect day
I'm glad I spend it with you
Oh, such a perfect day
You just keep me hanging on
You just keep me hanging on

Just a perfect day
problems all left alone
Weekenders on our own
it's such fun

Just a perfect day
you made me forget myself
I thought I was
someone else, someone good

Oh, it's such a perfect day
I'm glad I spent it with you
Oh, such a perfect day
You just keep me hanging on
You just keep me hanging on

You're going to reap just what you sow
You're going to reap just what you sow
You're going to reap just what you sow
You're going to reap just what you sow
 
 
Lou Reed, Perfect Day, 1972
 
 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 18:36
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2010

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

- Ela disse que dançaria comigo se eu lhe levasse rosas vermelhas – exclamou o Estudante – mas estamos no inverno e não há uma única rosa no jardim...

Por entre as folhas, do seu ninho, no carvalho, o Rouxinol o ouviu e, vendo-o ficou admirado...

- Não há nenhuma rosa vermelha no jardim! – disse o Estudante, com os olhos cheios de lágrimas. – Ah! Como a nossa felicidade depende de pequeninas coisas! Já li tudo quanto os sábios escreveram. A filosofia não tem segredos para mim e, contudo, a falta de uma rosa vermelha é a desgraça  da minha vida.

Eis, afinal, um verdadeiro apaixonado! – disse o Rouxinol. Tenho cantado o Amor noite após noite, sem conhecê-lo no entanto; noite após noite falei dele às estrelas, e agora o vejo... O cabelo é negro como a flor do jacinto e os lábios vermelhos como a rosa que deseja; mas o amor pôs-lhe na face a palidez do marfim e o sofrimento marcou-lhe a fronte.

- Amanhã à noite o Príncipe dá um baile, murmurou o Estudante, e a minha amada se encontrará entre os convidados. Se levar uma rosa vermelha, dançará comigo até a madrugada. Somente se lhe levar uma rosa vermelha... Ah... Como queria tê-la em meus braços, sentir-lhe a cabeça no meu ombro e a sua mão presa a minha. Não há rosa vermelha em meu jardim... e ficarei só; ela apenas passará por mim... Passará por mim... e meu coração se despedaçará.

- Eis um verdadeiro apaixonado... – pensou o Rouxinol. – Do que eu canto, ele sofre. O que é dor para ele é alegria para mim. Grande maravilha, na verdade, é o Amar! Mais precioso que esmeraldas e mais caro que opalas finas. Pérolas e granada não podem comprá-lo, nem se oferece nos mercados. Mercadores não o vendem, nem o conferem em balanças a peso de ouro.

- Os músicos da galeria – prosseguiu o Estudante – tocarão nos seus instrumentos de corda e, ao som de harpas e violinos, minha amada dançará. Dançará tão leve, tão ágil, que seus pés mal tocarão o assoalho e os cortesãos, com suas roupas de cores vivas, reunir-se-ão em torno dela. Mas comigo não bailará, porque não tenho uma rosa vermelha para dar-lhe... – e atirando-se à relva, ocultou nas mãos o rosto e chorou.

- Por que está chorando? – perguntou um pequeno lagarto ao passar por ele, correndo, de rabinho levantado.

- É mesmo! Por que será? – Indagou uma borboleta que perseguia um raio de sol.

- Por quê? – sussurrou uma linda margarida à sua vizinha.

- Chora por causa de uma rosa vermelha, - informou o Rouxinol.

- Por causa de uma rosa vermelha? – exclamaram – Que coisa ridícula! E  o lagarto, que era um tanto irônico, riu à vontade.

Mas o Rouxinol compreendeu a angústia do Estudante e, silencioso, no carvalho, pôs-se a meditar sobre o mistério do Amor.

Subitamente, abriu as asas pardas e voou.

Cortou, como uma sombra, a alameda, e como uma sombra, atravessou o jardim.

Ao centro do relvado, erguia-se uma roseira. Ele a viu. Voou para ela e posou num galho.

- Dá-me uma rosa vermelha – pediu – e eu cantarei para ti a minha mais bela canção!

- Minhas rosas são brancas; tão brancas quanto a espuma do mar, mais brancas que a neve das montanhas. Procura minha irmã, a que enlaça o velho relógio-de-sol. Talvez te ceda o que desejas.

Então o Rouxinol voou para a roseira, que enlaçava o velho relógio-de-sol.

- Dá-me  uma rosa vermelha – pediu – e eu te cantarei minha canção mais linda.

A roseira sacudiu-se levemente.

- Minhas rosas são amarelas como as cabelos dourados das donzelas, ainda mais amarelas que o trigo que cobre os campos antes da chegada de quem o vai ceifar. Procura a minha irmã, a que vive sob a janela do Estudante. Talvez ela possa te possa ajudar.

O Rouxinol então, dirigiu o vôo para  a roseira que crescia sob a janela do Estudante.

- Dá-me uma rosa vermelha – pediu - e eu te cantarei a mais linda de minhas canções.

A roseira sacudiu-se levemente.

- Minhas rosas são vermelhas, tão vermelhas quanto os pés das pombas, mais vermelhas que os grandes leques de coral que oscilam nos abismos profundos do oceano. Contudo, o inverno regelou-me até as veias, a geada queimou-me os botões e a tempestade quebrou-me os galhos. Não darei rosas este ano.

- Eu só quero uma rosa vermelha, repetiu o Rouxinol, - uma só rosa vermelha. Não haverá meio de obtê-la?

- Há, respondeu  a Roseira, mas é meio tão terrível que não ouso revelar-te.

- Dize. Não tenho medo.

- Se queres uma rosa vermelha, explicou a roseira, hás de fazê-la de música, ao luar, tingi-la com o sangue de teu coração. Tens de cantar para mim com o peito junto a um espinho. Cantarás toda a noite para mim e o espinho deve ferir teu coração e teu sangue de vida deve infiltrar-se em minhas veias e tornar-se meu.

- A morte é um preço exagerado para uma rosa vermelha – exclamou o Rouxinol – e a Vida é preciosa... É tão bom voar, através da mata verde e contemplar o sol  em seu esplendor dourado e a lua em seu carro de pérola...O aroma do espinheiro é suave, e suaves são as campânulas ocultas no vale, e as urzes tremulantes na colina. Mas o Amor é melhor que a Vida. E que vale o coração de  um pássaro comparado ao coração de um homem?

Abriu as asas pardas para o vôo e ergueu-se no ar. Passou pelo jardim como uma sombra e, como uma sombra, atravessou a alameda.

O Estudante estava deitado na relva, no mesmo ponto em que o deixara, com os lindos olhos inundados de lágrimas.

- Rejubila-te – gritou-lhe o Rouxinol – Rejubila-te; terás a tua rosa vermelha. Vou fazê-la de música, ao luar. O sangue de meu coração a tingirá. Em conseqüência só te peço que sejas sempre verdadeiro amante, porque o Amor é mais sábio do que a Filosofia; mais poderoso que o poder.. Tem as asas da cor da chama e da cor da chama tem o corpo. Há doçura de mel em seus braços e seu hálito lembra o incenso.

O Estudante ergueu a cabeça e escutou. Nada pode entender, porém, do que dizia o Rouxinol, pois sabia apenas o que está escrito nos livros.

Mas o Carvalho entendeu e ficou melancólico, porque amava muito o pássaro que construíra ninho em seus ramos.

- Canta-me um derradeiro canto – segredou-lhe – sentir-me-ei tão só depois da tua partida.

Então o Rouxinol cantou para o Carvalho, e sua voz fazia lembrar a água a borbulhar de uma jarra de prata.

Quando o canto finalizou, o Estudante levantou-se, tirando do bolso um caderninho de notas e um lápis.

- Tem classe, não se pode negar – disse consigo – atravessando a alameda. Mas terá sentimento? Não creio. É igual a maioria dos artistas. Só estilo, sinceridade nenhuma. Incapaz de sacrificar-se por outrem. Só pensa e cantar e bem sabemos quanto a Arte é egoísta. No entanto, é forçoso confessar, possui maravilhosas notas na voz. Que  pena não terem significação alguma, nem realizarem nada realmente bom!

Foi para o quarto, deitou-se e, pensando na amada, adormeceu.

Quando a lua refulgia no céu, o Rouxinol voou para a Roseira e apoiou o peito contra o espinho. Cantou a noite inteira e o espinho mais e mais foi se enterrando em seu peito, e o sangue de sua vida lentamente se escoou...

Primeiro descreveu o nascimento do amor no coração de um menino e uma menina; e, no mais alto galho da Roseira, uma flor desabrochou, extraordinária, pétala por pétala, acompanhando um canto e outro canto. Era pálida, a princípio, qual a névoa que esconde o rio, pálida qual os  pés da manhã e as asas da alvorada. Como sombra de rosa num espelho de prata, como sombra de rosa em água de lagoa era a rosa que apareceu no mais alto galho da Roseira.

Mas a Roseira pediu ao Rouxinol que se unisse mais ao espinho. – Mais ainda, Rouxinol, - exigiu a Roseira, - senão o dia raia antes que eu acabe a rosa.

O Rouxinol então apertou ainda mais o espinho junto ao peito, e cada vez mais profundo lhe saía o canto porque ele cantava o nascer da paixão na alma do homem e da mulher.

E tênue nuance rosa nacarou as pétalas, igual ao rubor que invade a face do noivo quando beija a noiva nos lábios.

Mas o espinho não lhe alcançava ainda o coração e o coração da flor continuava branco – pois somente o coração de um Rouxinol pode avermelhar o coração de rosa.

- Mais ainda, Rouxinol, - clamou a Roseira – raiar o dia antes que eu finalize a rosa.

E o Rouxinol, desesperado, calcou-se mais forte no espinho, e o espinho lhe feriu o coração, e uma punhalada de dor o traspassou.

Amarga, amarga lhe foi a angústia e cada vez mais fremente foi o canto, porque ele cantava o amor que a morte aperfeiçoa, o amor que não morre nem no túmulo.

E a rosa maravilhosa tornou-se purpurina como a rosa do céu oriental. Suas pétalas ficaram rubras e, vermelho como um rubi, seu coração.

Mas a voz do Rouxinol se foi enfraquecendo, as pequeninas asas começaram a estremecer e uma névoa cobriu-lhe o olhar, o canto tornou-se débil e ele sentiu qualquer coisa apertar-lhe a garganta.

Então, arrancou do peito o derradeiro grito musical.

Ouviu-o a lua branca, esqueceu-se da Aurora e permaneceu no céu.

A rosa vermelha o ouviu, e trêmula de emoção, abriu-se à aragem fria da manhã. Transportou-o o Eco, à sua caverna purpurina, nos montes, despertando os pastores de seus sonhos. E ele levou-os através dos caniços dos rios e eles transmitiram sua mensagem ao mar.

- Olha! Olha! Exclamou a Roseira. – A rosa está pronta, agora.

Ao meio dia o Estudante abriu a janela e olhou.

- Que sorte! – disse – Uma rosa vermelha! Nunca vi rosa igual em toda a minha vida. É tão linda que tem certamente um nome complicado em latim. E curvou-se para colhê-la.

Depois, pondo o chapéu, correu à casa do professor.

- Disseste que dançarias comigo se eu te trouxesse uma rosa vermelha, - lembrou o Estudante. – Aqui tens a rosa mais linda e vermelha de todo o mundo. Hás de usá-la, hoje a noite, sobre ao coração, e quando dançarmos juntos ela te dirá o quanto te amo.

A moça franziu a testa.

- Esta rosa não combina com o meu vestido, disse. Ademais, o Capitão da Guarda mandou-me jóias verdadeiras, e jóias, todos sabem, custam muito mais do que flores...

- És muito ingrata! – exclamou o Estudante, zangado. E atirou a rosa a sarjeta, onde a roda de um carro a esmagou.

- Sou ingrata? E o senhor não passa de um grosseirão. E, afinal de contas, quem és? Um simples estudante... não acredito que tenhas fivelas de prata, nos sapatos, como as tem o Capitão da Guarda... – e a moça levantou-se e entrou em casa.

- Que coisa imbecil, o Amor! – Resmungou o estudante, afastando-se. – Nem vale a utilidade da Lógica, porque não prova nada, está sempre prometendo o que não cumpre e fazendo acreditar em mentiras. Nada tem de prático e como neste século o que vale é a prática, volto à Filosofia e vou estudar metafísica.

Retornou ao quarto, tirou da estante um livro empoeirado e pôs-se a ler...

 

 

Oscar Wilde, O Rouxinol e a Rosa

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 15:32
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010


* * *

 

 

* * *

O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.


Carlos Drummond de Andrade

O Mundo é Grande in “Amar se Aprende Amando”

publicado por Cleópatra M.P. às 12:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

 

 

 

A tristeza é um muro entre dois jardins.

 

 Khalil Gibran

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

* Chopin - Op 10 No 3 in E Major *
 
 
publicado por Cleópatra M.P. às 22:10
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 19 de Outubro de 2010

 

 

Para sempre é muito tempo...

 

 

* * *

 

 

PARA SEMPRE...?

 

 

* * *

 

Queen - Who Wants To Live Forever

 

* * *

.

 

... ou não?

.

.

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 15 de Outubro de 2010

 

 

 

* * *

 

 

* * *


publicado por Cleópatra M.P. às 10:00
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010

 

 

 

Campo Grande

 

Mato Grosso do Sul

 

Brasil

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 10:21
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

 

 

África!

 

África Minha!

 

Acreditem ou não, já vi este filme mais de 

20 vezes... sim, isso mesmo: v i n t e!

 

Quando eu gosto, adoro!

 

Recomendo também o livro. 

 

 

 

.

 

* * *

 

 

 

 

 

* * *

 

 

 

 

 

 .

* * *

 

 

* Out of Africa - End Title *

 

   

 

* * *  

 

.

* * *

 

 

 

A banda sonora do filme é  f a n t á s t i c a.

 John Barry.

 

 

.

publicado por Cleópatra M.P. às 15:50
link do post | comentar | favorito!

Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Tradutor | Translator
Free counters!