Quinta-feira, 23 de Abril de 2015

 

 

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

 

Aproveitei ao máximo amar-te?
Tantas coisas que não fizemos.
Dei-te tudo o que o meu coração te podia dar?
Duas vidas não vividas com vida para viver.
Quando estes dias intermináveis e solitários passarem,
Vou aproveitar ao máximo amar-te.
Vou aproveitar ao máximo amar-te.

Será que aproveitámos ao máximo tudo o que tínhamos?
Não te ver entristece o meu coração.
Será que aproveitámos ao máximo os dias de verão?
Ainda temos tempo para mudar os nossos caminhos.
Quando estes dias intermináveis e solitários passarem,
Vou aproveitar ao máximo amar-te.
Vou aproveitar ao máximo amar-te.
Vou aproveitar ao máximo amar-te.
Vou aproveitar ao máximo amar-te.

Será que essas palavras carinhosas ficaram na minha cabeça?
Tantas coisas ficaram por dizer.
Dei-te tudo o que o meu coração te podia dar?
Duas vidas não vividas com vida para viver.
Quando estes dias intermináveis e solitários passarem,
Vou aproveitar ao máximo amar-te.
Vou aproveitar ao máximo amar-te.
Vou aproveitar ao máximo amar-te.
Vou aproveitar ao máximo amar-te.

 

 

‘Did I Make the Most of Loving You?’

Compositor: John Lunn  |  Letra: Don Black  |  Interpretado por: Mary-Jess

 

 

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

 

Did I make the most of loving you?
So many things we didn't do.
Did I give you all my heart could give?
Two unlived lives with lives to live.
When these endless, lonely days are through,
I'll make the most of loving you.
I'll make the most of loving you.


Did we make the most of all we had?
Not seeing you makes my heart sad.
Did we make the most of summer days?
We still have time to change our ways.
When these endless, lonely days are through,
I'll make the most of loving you.
I'll make the most of loving you.
I'll make the most of loving you.
I'll make the most of loving you.


Did those tender words stay in my head?
So many things were left unsaid.
Did I give you all my heart could give?
Two unlived lives with lives to live.
When these endless, lonely days are through,
I'll make the most of loving you.
I'll make the most of loving you.
I'll make the most of loving you.
I'll make the most of loving you.

 

 

‘Did I Make the Most of Loving You?’

Composer: John Lunn  |  Lyrics: Don Black  |  Performed by: Mary-Jess

 

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015

 

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 One Day at a Time, Cristy Lane (1980)

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 18 de Outubro de 2014

 

 

 

“Never look back unless you are planning to go that way.”


― Henry David Thoreau

 

 

* * *

 

 

"Nunca olhes para trás, a menos que estejas a planear ir por esse caminho."

― Henry David Thoreau

 

 

 

* * *

NUNCA OLHES PARA TRÁS | NEVER LOOK BACK

 

 

* * *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

 

 

 

* * *

 

SEI. EU SEI.

 

 

* * *

 

 

Sabe quando a gente tem vontade de encontrar
A novidade de uma pessoa
Quando o tempo passa rápido
Quando você está ao lado dessa pessoa
Quando dá vontade de ficar nos braços dela
E nunca mais sair

 

 

Sabe, quando a felicidade invade
Quando pensa na imagem da pessoa
Quando lembra que seus lábios encontraram
Outros lábios de uma pessoa
E o beijo esperado ainda está molhado
E guardado ali
Em sua boca
Que se abre e sorri feliz
Quando fala o nome daquela pessoa
Quando quer beijar de novo, muito
Os lábios desejados da sua pessoa
Quando quer que acabe logo a viagem
Que levou ela pra longe daqui

 

 

Sabe, quando passa a nuvem em brasa
Abre o corpo, o sopro do ar que traz essa pessoa
Quando quer ali deitar, se alimentar
E entregar seu corpo pra pessoa
Quando pensa porque não disse a verdade
É que eu queria que ela estivesse aqui

 

 

Sabe, quando a felicidade invade
Quando pensa na imagem da pessoa
Quando lembra que seus lábios encontraram
Outros lábios de uma pessoa
E o beijo esperado ainda está molhado
E guardado ali
Em sua boca
Que se abre e sorri feliz
Quando fala o nome daquela pessoa
Quando quer beijar de novo, muito
Os lábios desejados da sua pessoa
Quando pensa porque não disse a verdade
É que eu queria que ela estivesse aqui

 

 

Sei

Eu sei

 

 

Nando Reis, 'Sei'

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Quinta-feira, 25 de Setembro de 2014
 

 

 

* * *

 

 ÁGUA DE BEBER

 

 

* * *

 

 

Eu quis amar, mas tive medo

e quis salvar meu coração

mas o amor sabe um segredo

o medo pode matar o seu coração

 

Água de beber

Água de beber, camará

Água de beber

Água de beber, camará!

 

Eu nunca fiz coisa tão certa

Entrei pra escola do perdão

a minha casa vive aberta

abre todas as portas do coração!

 

Água de beber

Água de beber, camará

Água de beber

Água de beber, camará!

 

 

'Água de Beber'
Vinicius de Moraes / Antonio Carlos Jobim

 

 

 

* * *

 

Astrud Gilberto, Água de Beber 

 

* * *

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Domingo, 12 de Janeiro de 2014

 

 

 

* * *

 

COMO SARAR UM CORAÇÃO PARTIDO | HOW TO HEAL A BR

 

 

* * *

 

 

"A new life
In my soul
And find that I know how to let you go
You go"

 

Chris Walker, How Do You Heal A Broken Heart

 

 

* * *

 

 Chris Walker, How Do You Heal A Broken Heart

 

* * *

 

"Tonight I'll hold what could be right
Tomorrow i'll pretend to
Wake and put it all behind me
And find that I know how to let you go"

 

 

Chris Walker, How Do You Heal A Broken Heart

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 1 de Julho de 2013

 

 

* * *

 

NUNCA DESISTAS - NEVER GIVE UP

 

 

* * * 

 

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 10 de Maio de 2013

 

* * *

 

LEARNING

 

* * *

 

 

 

 

Life isn’t about waiting for the storm to pass,


 

it’s about learning to dance in the rain.

 


 

Vivian Greene

 

publicado por Cleópatra M.P. às 14:45
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 1 de Março de 2012

 

 

'Take your passion
.

and make it happen.
.

Pictures come alive,

.

you can dance right through your life.'

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 19:53
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 21 de Janeiro de 2012

 

 

... Acredita em Ti!

 

 

Faz uso das tuas asas e Voa!

 

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 


Supera-te!

 

 

 

Vai. Faz. Arrisca. VIVE!

 

 

Supera-te.

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 23:40
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 
 

A reminder of the important things in life
 
 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Terça-feira, 10 de Janeiro de 2012

 

 

* * *

 

SOMETIMES, IT IS!

 

* * *

 

 

 

"Silence is the most powerful scream."

 

 

Anonymous

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 17:01
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 7 de Janeiro de 2012

 

 

* * *

 

 * * *

 


Você Sabia? (Did You Know? 2008 - Legendas PT-BR)
 
 
* * *
  
 
* * *
 
publicado por Cleópatra M.P. às 23:55
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 11 de Dezembro de 2011

 

 

Youtube e Ridley Scott apresentam 'Life in a Day'.

 

Um documentário sobre um único dia na Terra: 24 de Julho de 2010. Uma colectânea de vídeos comuns, filmados por pessoas comuns e que relata o quotidiano vivido nos quatro cantos do Mundo.

 

Sem dúvida, vale a pena ver.

 

* * *

 

 

* * *

  


Life In A Day

 

 

* * *

 

 

* * *

 
publicado por Cleópatra M.P. às 14:41
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 20 de Agosto de 2011

 

 

* * *

 

* * *

 

 

"Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está?
As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.
É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.
Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.
Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.
O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar."



Miguel Esteves Cardoso, in Último Volume

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Sexta-feira, 22 de Julho de 2011

 

* * *

 

 

* * *

 

"Um ano tivemos um eclipse da Lua. Pouco tempo antes de ocorrer recebi a seguinte carta do jovem indiano que era chefe da estação no apeadeiro kikuyu:

 

 

          'Excelentíssima Senhora,

 

Tiveram a gentileza de me informar que a luz do Sol vai desaparecer durante sete dias seguidos. Pondo de parte a questão dos comboios, rogo-lhe a fineza de me informar, já que mais ninguém terá a gentileza de o fazer, se durante este período hei-de deixar as minhas vacas pastarem nas imediações, ou se as devo recolher no estábulo.

 

 

                   Tenho a honra de ser, minha Senhora, seu fiel servidor.

 

                                                                                                             PATEL' "

 

 

Karen Blixen, in África Minha, pp.248

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 01:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Quarta-feira, 29 de Junho de 2011

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

Na Vida, como no Xadrêz, há momentos em que não existe nenhuma jogada favorável para ninguém. Desejamos 'passar a vez'. Mas na Vida, como no Xadrêz, isso não é permitido. A jogada tem que ser concretizada. É inevitável fazer o movimento que, qualquer que seja, além de não nos favorecer irá prejudicar-nos. É assim o Xadrez. E a Vida. É o Zugzwang.

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:01
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 10 de Junho de 2011

 

 

O nosso Mundo tem coisas muito belas!

 

Aqui fica uma delas.

 

Que imagem deliciosa!

 

 

* * *

 

* * *

 

E segundo parece, esta fotografia foi tirada cá em Portugal, na Arrábida!

 

Linda, não é?

 

Um verdadeiro doce para os sentidos!

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:01
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 2 de Junho de 2011

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

O primeiro de todos os meus sonhos era sobre
um amante e o seu único amor,
caminhando devagar (pensamento no pensamento)
por alguma verde misteriosa terra

até o meu segundo sonho começar—
o céu é agreste de folhas; que dançam
e dançando arrebatam (e arrebatando rodopiam
sobre um rapaz e uma rapariga que se assustam)

mas essa mera fúria cedo se tornou
silêncio: em mais vasto sempre quem
dois pequeninos seres dormem(bonecas lado a lado)
imóveis sob a mágica

para sempre caindo neve.
E então este sonhador chorou: e então
ela rapidamente sonhou um sonho de primavera
—onde tu e eu estamos a florescer


Edward Estlin Cummings

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 14:09
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 8 de Maio de 2011

 

Um texto com mais de uma centena de anos!

Vale a pena ler. Aliás, vale a pena ler o livro inteiro.

 

 

* * *

 

 

* * *

 

"Uma grande parte da população limita-se nos dias de hoje a vegetar num torpor sombrio e insensível. (...) A grande valorização do minuto, a urgência, motivo mais importante da nossa vida, é sem sombra de dúvida o mais perigoso inimigo da alegria. É esboçando um sorriso nostálgico que lemos os idílios e viagens sentimentais de épocas já passadas. Não tinham os nossos avós tempo para tudo? Quando um dia li a écloga de Friedrich Schlegel acerca do ócio, não consegui evitar este pensamento: o quanto não terias tu suspirado se tivesses de fazer o ttrabalho que nós fazemos!

 

Parece triste, todavia inevitável, que essa pressa da vida que actualmente levamos nos haja influenciado de modo tão agressivo e prejudicial desde a mais tenra idade. Infelizmente, essa precipitação da vida moderna também já há muito se apoderou do nosso parco lazer; a nossa maneira de apreciar algo fica pouco a dever ao nervosismo e à extenuante entrega com que nos dedicamos ao trabalho. 'O mais possível, o mais rápido possível', eis o lema. Resulta daí sempre cada vez mais entretenimento, mas cada vez menos alegria."

 

Hermann Hesse, Da Felicidade, 1899

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

28
29
30


Tradutor | Translator
Free counters!