Sábado, 10 de Novembro de 2012

 

 

 

* * *

 

YOU DIDN'T HEAR ME THEN...

 

* * *

 

"First you break it up, but I knew you'd come running
You'd wanna make it up, I can't hear you no more

Now you know what it's like, and I can watch you begging
Like I was begging to you, like I did before

I can't hear you no more, I can't hear you no more, I won't come running again
I can't hear you no more, no it ain't like before, I'm learning to live again

Ain't I the one who called, when you stood so near me
You didn't hear me then, I can't hear you no more

Now you know what it's like, and I can watch you begging
Like I was begging to you, like I did before

I can't hear you no more, I can't hear you no more, I won't come running again
I can't hear you no more, no it ain't like before
I'm learning to live, learning to live, learning to live again

For too long you played a part, now it's lost the mystery
But no more can I hold on, I'm breaking the chains that tie me, yeah

I can't hear you no more, no it ain't like before
See me walk out the door, I can't hear you no more

I can't hear you no more, I can't hear you no more
I won't come running, I won't come running, I won't come running again

I can't hear you no more, no it ain't like before
See me walk out the door, I can't hear you no more

When you stood so near me, you couldn't even hear me - that's all I should say."

 

 

 

Gerry Goffin/Carole King, I Can't Hear You No More, 1964

 

 

 

* * *

 

 

 

Russ Ballard,  I Can't Hear You No More

 

 

* * *

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 9 de Outubro de 2012

 

[it´s time to letting you go...]

 

 

* * *

A SONG FOR YOU

 

* * *

 

"

(...)


You taught me precious secrets of the truth witholding nothing
You came out in front and I was hiding
But now I'm so much better and if my words don't come together
Listen to the melody cause my love is in there hiding

 

(...)


I love you in a place where there's no space or time
I love you for in my life you are a friend of mine
And when my life is over
Remember when we were together
We were alone and I was singing this song for you

 

(...)

 

"

 Leon Russell, A Song For You

 

 

 

* * *

 Simply Red - A Song For You

* * *

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 14 de Junho de 2012

 

 

* * *

 

YES I DID IT

 

* * *

 

 

Yes, I did it.

 

I wrote it!

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 10:02
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

 

 

"I Just Want to Make Love to You", um tema escrito por Willie Dixon em 1954 e inicialmente interpretado por Muddy Waters, ficou famoso na voz de Etta James em 1961, quando incorporou o tema no seu primeiro álbum

'At Last!'.

 

* * *

 

 

 

* * *

 

"And I can tell by the way you walk that walk

 

I can hear by the way you talk that talk

 

I can know by the way you treat your girl

 

That I can give you all the lovin in the whole wide world"

 

 

* * *

 

 I Just Wanna Make Love to You

Etta James

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:15
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

 

 

* * *

 

 

* * *

 

"O que me importa
Seu carinho agora
Se é muito tarde
Para amar você

 


O que me importa
Se você me adora
Se já não há razão
Para lhe querer

 


O que me importa
Ver você sofrendo assim
Se quando eu lhe quis
Você nem mesmo soube
Dar amor

 


O que me importa
Ver você chorando
Se tantas vezes
Eu chorei também

 


O que me importa
Sua voz chamando
Se pra você jamais
Eu fui alguém

 


O que me importa
Essa tristeza em seu olhar
Se o meu olhar
Tem mais tristezas
Pra chorar
Que o seu

 


O que me importa
Ver você tão triste
Se triste fui
E você nem ligou

 


O que me importa
O seu carinho agora
Se para mim
A vida terminou
Terminou
Terminou..."

 

 

* * *

 

 O Que Me Importa

Tim Maia

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 23:20
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 20 de Agosto de 2011

 

 

* * *

 

* * *

 

 

"Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está?
As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar.
É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução.
Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha.
Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado.
O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar."



Miguel Esteves Cardoso, in Último Volume

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Segunda-feira, 16 de Maio de 2011

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

"Para aqueles que crêem, nenhuma explicação é necessária;

 

e para aqueles que não crêem, nenhuma explicação é possível."

 

 

Santo Inácio de Loyola

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 14:28
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

 

Eis os bombons que te dou:

 

Uma imagem captada por mim

e

dois versos de um poema de Alexandre O'Neil, que tão bem conheces.

 

* * *

 

 

 

* * *

 

"Há palavras que nos beijam
 
Como se tivessem boca."
 
 
Feliz Aniversário, P.H.!
 
publicado por Cleópatra M.P. às 13:00
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 23 de Janeiro de 2011

 

 

... For me it happens all the time...

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

Picture perfect memories,
Scattered all around the floor.
Reaching for the phone cause, I can’t fight it any more.
And I wonder if I ever cross your mind.
For me it happens all the time.

  

It’s a quarter after one, I’m all alone and I need you now.
Said I wouldn’t come but I lost all control and I need you now.
And I don’t know how I can do without, I just need you now.

 

Another shot of whiskey, can’t stop looking at the door.
Wishing you’d come sweeping in the way you did before.
And I wonder if I ever cross your mind.
For me it happens all the time.

 

It’s a quarter after one, I’m a little drunk,
And I need you now.
Said I wouldn’t call but I lost all control and I need you now.
And I don’t know how I can do without, I just need you now.

 

Yes I’d rather hurt than feel nothing at all.
It’s a quarter after one, I’m all alone and I need you now.
And I said I wouldn’t call but I’m a little drunk and I need you now.
And I don’t know how I can do without, I just need you now.
I just need you now.

 

 

Lady Antebellum, Need You Now

 

 

 

                         

  * Lady Antebellum - Need You Now *

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 21:47
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010


* * *

 

 

* * *

O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.


Carlos Drummond de Andrade

O Mundo é Grande in “Amar se Aprende Amando”

publicado por Cleópatra M.P. às 12:00
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 5 de Outubro de 2010
 

 

 

*

'You don't know, you should have known


the pain I feel inside'


 

 

* * *

 

 

CANSADA - FIND A WAY AND CLEAN MY SOUL

 

 

 

* * *

 

'So, I was dreaming of you


I was falling with you


and broke my heart'

 

*

 

 

* Rodrigo Leão - Deep Blue *

 

*

 

'God knows I cannot stand


It's time to say goodbye'


*

publicado por Cleópatra M.P. às 00:24
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

 

 

 

Simplesmente, simples.

 

Com muita simplicidade,

 

de forma simplista.

 

Mas simplória, jamais!

 

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 16:11
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010

 

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

 Nem todo o corpo é carne... Não, nem todo
Que dizer do pescoço, às vezes mármore,
às vezes linho, lago, tronco de árvore,
nuvem, ou ave, ao tacto sempre pouco...?

E o ventre, inconsistente como o lodo?...
E o morno gradeamento dos teus braços?
Não, meu amor... Nem todo o corpo é carne:
é também água, terra, vento, fogo...

É sobretudo sombra à despedida;
onda de pedra em cada reencontro;
no parque da memória o fugidio

vulto da Primavera em pleno Outono...
Nem só de carne é feito este presídio,
pois no teu corpo existe o mundo todo!

 

 

 

David Mourão-Ferreira, Presídio in “Obra Poética”

 


 

publicado por Cleópatra M.P. às 15:14
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 13 de Setembro de 2010

 

 

 

* * *

  

 

 

* * *

 

 

Foi na semana passada. A meio da semana.

Nós os dois. Por acaso. Uma casa antiga, muito grande, estilo colonial. Branca. Portas e janelas em madeira pintada de azul turquesa. Linda. Árvores de grande porte na frente. Frondosas. Em fila. O casamento de alguém. Não me lembro quem. Para dizer a verdade, nem interessa, sabes? O importante éramos nós os dois, ali, assim sem contarmos. Sem termos feito nada para que acontecesse. Acaso. Será? Acaso? Nem sei, imagina lá tu. Claro que foi acaso. Não! Não foi nada disso. Há certas coisas na vida que não são acasos. Esta foi uma delas. Um momento indelével. Sem jogos, sem xeque-mate. Sem medo. Sem medos. Várias centelhas felizes dentro de um momento único.

A felicidade e a alegria que sentimos depois de tanto tempo de afastamento. Ai como é bom sentir o amor verdadeiro, o privilégio que é sermos um puzzle de duas peças.

O amor? Sim, acredito. Claro que acredito. Provas? Tenho várias! Mas nem precisava, sabes disso...

A festa? Era um casamento, já te disse, distraído! As pessoas, os convidados? Nem sei. Acreditas que não consigo lembrar-me? Quando te olhei, não vi mais ninguém. Mas tu certamente também não recordas quem lá estava, e nem eu te perguntaria por eles. Não interessa. Eram apenas os outros.

Depois olhei-te novamente e... vi-te. A minha alma aqueceu. E como aqueceu! A minha alma sempre aquecia de cada vez que te via. E essa particularidade não mudou. Ali estávamos nós, tão bem, tão maravilhosamente bem. Desaparecemos da festa, por um dos vários corredores da mansão. A correr de mão dada, os nossos pés a baterem com força no chão de madeira. Duas crianças que não conseguem disfarçar a felicidade que sentem. Tenho a certeza que nos perdoaram o egoísmo.

Quando nos encontraremos de novo? Mais logo? Então tenho que adormecer... encontro-te do outro lado.

 

 

Cleo.

 

* Vangelis - Come to Me *

                                                                                          

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:53
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 6 de Setembro de 2010

 

 

 

* * *

 

* * *

 


Don't come after
Come
Don't come after
Please don't follow me along
When you read this I'll be gone
Ask the mountains
Springs and fountains
Why couldn't this go on?
Couldn't our happiness go on?
Ask the sun that lightens up the sky
When the night gives in, to tell you why
Ask the mountains
Wild woods, highlands
Ask the green in the woods and the trees
The cold breeze coming in from the sea
Springs and fountains
Ask the mountains
Springs and fountains
Ask the sun that lightens up the sky
When the night gives in, to tell you why
Tell the mountains
Springs and fountains
Why couldn't this go on?
Couldn't our happiness go on?

 

 

Vangelis, Ask The Mountains

 

 

 

                               * Vangelis - Ask The Mountains *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:02
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

 

 

 

* * *

 

 

.

.

* * *

 

 

I know you think that I shouldn't still love you
Or tell you that
But if I didn't say it, well I'd still have felt it
Where's the sense in that?

I promise I'm not trying to make your life harder
Or return to where we were

But I will go down with this ship
And I won't put my hands up and surrender
There will be no white flag above my door
I'm in love and always will be

I know I left too much mess and destruction
To come back again
And I caused nothing but trouble
I understand if you can't talk to me again

And if you live by the rules of it's over
Then I'm sure that that makes sense

But I will go down with this ship
And I won't put my hands up and surrender
There will be no white flag above my door
I'm in love and always will be

And when we meet, which I'm sure we will
All that was there will be there still
I'll let it pass and hold my tongue
And you will think that I've moved on

I will go down with this ship
And I won't put my hands up and surrender
There will be no white flag above my door
I'm in love and always will be

 

 

* Dido - White Flag *

publicado por Cleópatra M.P. às 00:27
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 3 de Agosto de 2010

 

 

Porque o orgulho obstinado mata;

Porque também cega;

Porque até consegue disfarçar prisões, dando-lhes o aspecto de liberdade...

... liberdade tão fraca essa...

Liberdade que prende;

liberdade que não deixa ser livre...

 

E para quê?

Para simplesmente não viver...

... para ser 'firme'

... para 'não voltar atrás'...

... para não ser 'fraco'...

 

E para quê?

Ora! Para ser livre de escolher estar preso?


 

Cleópatra M.P.


 

* * *

 

.

.

* * *


 

Choro, metido na masmorra
do meu nome.
Dia após dia, levanto, sem descanso,
este muro à minha volta;
e à medida que se ergue no céu,
esconde-se em negra sombra
o meu ser verdadeiro.

Este belo muro
é o meu orgulho,
que eu retoco com cal e areia
para evitar a mais leve fenda.

E com este cuidado todo,
perco de vista
o meu ser verdadeiro.

.

.

.

 

Rabindranath Tagore,

A Prisão do Orgulho, in "O Coração da Primavera"

 


 

 

                                            

* Evanescence - My Immortal *

 


 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:49
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito!

Sexta-feira, 2 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

SO SLIDE BACK DOWN AND CLOSE YOUR EYES

 

 

* * *

 

 

"Dantes dizia-se, quando alguém morria, que um corvo levava a sua alma para a terra dos mortos.

Mas, às vezes, algo tão mau acontece, que uma tristeza terrível acompanha a alma, não a deixando repousar.

E às vezes, só às vezes, o corvo pode trazer a alma de volta para corrigir o que estava errado.

 

Um prédio arde.

Só restam cinzas.

Pensava que tudo se passava assim.

Famílias.

Amigos.

Sentimentos.

Mas agora eu sei que, às vezes,

se o amor for verdadeiro, nada separa duas pessoas que se amam.

 

Se aqueles que amamos nos são roubados,

temos que os amar sempre para que eles vivam mais.

 

Edifícios ardem.

Pessoas morrem.

Mas o amor sincero vive para sempre."

 

 

 

Excerto retirado do filme O Corvo

 

 

* * *

 


The Cure - Burn

 

... Lamentavelmente, o último filme com Brandon Lee.

 

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 1 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

 

* * *

 

Uma ruptura então se produziu; foi o mal humor, a frieza, a indiferença quem os separou; no entanto, um deles rompeu e ele agora diz: "Eu não falo mais com essa pessoa, não a vejo mais". Mas o que ama diz: "Eu permaneço em meu amor; dessa forma, nós ainda conversamos um com o outro, pois às vezes o silêncio também faz parte da conversa."

 


Søren Kierkegaard

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sábado, 26 de Junho de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Às vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na terna mutação da natureza.

Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás da morte ao triste inverno:

Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos vivos te farão viver.


 

William Shakespeare

 

 

* Natalie Cole - I Miss You Like Crazy *

 

 


publicado por Cleópatra M.P. às 02:24
link do post | comentar | favorito!

Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

28
29
30


Tradutor | Translator
Free counters!