Sexta-feira, 27 de Agosto de 2010

 

 

Obrigada, Amiga S.Light!

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

'Mira que te mira Dios

Mira que te está mirando

Mira que te has de morir

Mira que no sabes cuándo'

 

 

Ignacio del Valle in O Tempo Dos Imperadores Estranhos

 


 

 
* Samuel Barber - Adagio for Strings *

 


publicado por Cleópatra M.P. às 08:45
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 26 de Agosto de 2010

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais

Hoje me sinto mais forte,
Mais feliz, quem sabe,
Eu só levo a certeza
De que muito pouco sei,
Ou nada sei

Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs

É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder seguir
É preciso chuva para florir

Sinto que seguir a vida
Seja simplesmente
Conhecer a marcha
E ir tocando em frente

Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou

Cada um de nós compõe
A sua própria história
E cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
De ser feliz

Todo mundo ama um dia,
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora

 

 

 

Almir Sater e Renato Teixeira

 

 

 

* Maria Bethania & Almir Sater

Tocando em Frente *

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:53
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito!

Quarta-feira, 25 de Agosto de 2010

 

 

 

* * *

 

 

.

.

* * *

 

 

I know you think that I shouldn't still love you
Or tell you that
But if I didn't say it, well I'd still have felt it
Where's the sense in that?

I promise I'm not trying to make your life harder
Or return to where we were

But I will go down with this ship
And I won't put my hands up and surrender
There will be no white flag above my door
I'm in love and always will be

I know I left too much mess and destruction
To come back again
And I caused nothing but trouble
I understand if you can't talk to me again

And if you live by the rules of it's over
Then I'm sure that that makes sense

But I will go down with this ship
And I won't put my hands up and surrender
There will be no white flag above my door
I'm in love and always will be

And when we meet, which I'm sure we will
All that was there will be there still
I'll let it pass and hold my tongue
And you will think that I've moved on

I will go down with this ship
And I won't put my hands up and surrender
There will be no white flag above my door
I'm in love and always will be

 

 

* Dido - White Flag *

publicado por Cleópatra M.P. às 00:27
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 19 de Agosto de 2010

 

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

 

Na plenitude da felicidade,

 

cada dia é uma vida inteira.

 

 

Goethe

 

 

 

 
* Cordara Orchestra - Jet Society *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito!

Sábado, 14 de Agosto de 2010
 

 

 

Observando a Terra a partir do Espaço.

 

Bela, Bela... Bela!

 

Se todos vissem estas imagens,

 

certamente o nosso planeta seria muito,

 

mas mesmo muito mais respeitado.

 

 

* * *

.

MUNDO MARAVILHOSO.jpeg

 

* * *

 

 

Parece uma pintura a óleo, numa tela... mas não. Não é.

Trata-se de algo muito mais belo, muito mais sublime: uma imagem real da Terra vista do Espaço.

 

Esta imagem foi captada pelo sensor MERIS do satélite ENVISAT no passado dia 23 de Maio.


Pode ver-se a Irlanda e na parte inferior esquerda uma bela mancha em tons de azul... azul-eléctrico.

Esta mancha, que parece ter sido obra de uma mão humana com um pincel, é na realidade o resultado de plantas marinhas microscópicas que se encontavam naquela altura à superfície do mar. É o plâncton azul-eléctrico. Florescente.

 

No topo da imagem pode ver-se o Mar da Irlanda e parte da Escócia. Na parte superior direita, a Este da irlanda, são visíveis as Ilhas de Man (Isles of Man).

 

Simplesmente LINDO!

Admiravel Planeta, o nosso.

 

 

Cleópatra M.P.

 

 

VER MAIS AQUI

 

 

 

 

* Vangelis - Creation du Monde *

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:19
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 6 de Agosto de 2010

 

 

 

Foi há 65 anos: Hiroshima.


Dispensa comentários...

 

 

* * *

 

.

.

* * *

.

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas, oh, não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa, sem nada

.

.

 

Vinícius de Moraes, Rosa de Hiroshima


*

 

Interpretado por Ney Matogrosso:

 

.

*

 

publicado por Cleópatra M.P. às 17:24
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 28 de Julho de 2010

 

 

Para ser grande, sê inteiro,

Põe quanto és no mínimo que fazes;
Nada
teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa.
Assim em cada lago,

a lua toda brilha

porque alta vive.

 

 

Ricardo Reis in "Odes de Ricardo Reis"

 

 

* * *

 

 

                              * * *

 

 

                                                     

 


publicado por Cleópatra M.P. às 21:50
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 23 de Julho de 2010

 

 

* * * 

 

 

 

* * *

 

 

 

 

 

*Francis Lai - Love Story*

 


 

publicado por Cleópatra M.P. às 11:22
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Quinta-feira, 22 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

 

                      * * *

 

 

Quem não sente o que lhe fazem,


também não sente o que faz aos outros.


 

Cleópatra M.P.

 

 

 

* Vangelis - La Petite Fille de la Mer *

 


publicado por Cleópatra M.P. às 01:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 16 de Julho de 2010
 

 

 

 

* * *

.

.NA PALMA DA MÃO.jpeg

 

 

* * *

.

 

 

.

.

.

Ver o mundo num grão de areia,


o céu numa flor silvestre,


agarrar o infinito na palma da mão


e a eternidade numa hora.

.

.

William Blake in 'Auguries of Innocence'

.

.

.

 

* Vangelis - Message *

 

 


publicado por Cleópatra M.P. às 03:44
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 13 de Julho de 2010

 

 

* * *


* * *



De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

 

 

Vinícios de Moraes, Soneto de Fidelidade

 


publicado por Cleópatra M.P. às 23:43
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Sábado, 10 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém... Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!

 

 

Antoine de Saint-Exupéry, in "O Principezinho"

 


publicado por Cleópatra M.P. às 21:42
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 2 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

SO SLIDE BACK DOWN AND CLOSE YOUR EYES

 

 

* * *

 

 

"Dantes dizia-se, quando alguém morria, que um corvo levava a sua alma para a terra dos mortos.

Mas, às vezes, algo tão mau acontece, que uma tristeza terrível acompanha a alma, não a deixando repousar.

E às vezes, só às vezes, o corvo pode trazer a alma de volta para corrigir o que estava errado.

 

Um prédio arde.

Só restam cinzas.

Pensava que tudo se passava assim.

Famílias.

Amigos.

Sentimentos.

Mas agora eu sei que, às vezes,

se o amor for verdadeiro, nada separa duas pessoas que se amam.

 

Se aqueles que amamos nos são roubados,

temos que os amar sempre para que eles vivam mais.

 

Edifícios ardem.

Pessoas morrem.

Mas o amor sincero vive para sempre."

 

 

 

Excerto retirado do filme O Corvo

 

 

* * *

 


The Cure - Burn

 

... Lamentavelmente, o último filme com Brandon Lee.

 

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 1 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

 

* * *

 

Uma ruptura então se produziu; foi o mal humor, a frieza, a indiferença quem os separou; no entanto, um deles rompeu e ele agora diz: "Eu não falo mais com essa pessoa, não a vejo mais". Mas o que ama diz: "Eu permaneço em meu amor; dessa forma, nós ainda conversamos um com o outro, pois às vezes o silêncio também faz parte da conversa."

 


Søren Kierkegaard

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Terça-feira, 29 de Junho de 2010

 

 

Hoje um amigo fez-me recordar este poema maravilhoso de Eduardo Alves da Costa, cuja autoria é muitas vezes atribuída, erradamente, ao poeta russo Maiakovski.

 

* * *

 

 

* * *



Assim como a criança
humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiakósvki.
Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.

Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho e nossa casa,
rouba-nos a luz e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz:
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas amanhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.

Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.
Mas eu sei,
porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.

Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas no tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares,
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.

E por temor eu me calo.
Por temor, aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita - MENTIRA!

 

 

Eduardo Alves da Costa, No caminho com Maiakóvski, 1936

 


publicado por Cleópatra M.P. às 09:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Domingo, 27 de Junho de 2010

 

 

* * *

 

* * *

 

* Mono - Moonlight *



publicado por Cleópatra M.P. às 00:11
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 26 de Junho de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Às vezes brilha o Sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na terna mutação da natureza.

Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás;
Nem chegarás da morte ao triste inverno:

Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos vivos te farão viver.


 

William Shakespeare

 

 

* Natalie Cole - I Miss You Like Crazy *

 

 


publicado por Cleópatra M.P. às 02:24
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

 

 

Filme baseado em factos verídicos.

 

Henri Charrière (1906 - 1973), escritor francês, autor do livro 'Papillon' e ex-militar da marinha francesa, foi condenado injustamente à pena de prisão perpétua e mandado para o exílio na Ilha do Diabo, Guiana Francesa. Aí conheceu outros personagens os quais participaram no seu livro.


 

 

 

 

 

Um dos últimos filmes protagonizados por Steve McQueen (1930 - 1980)

 

                  

 

 

                            


*Jerry Goldsmith - Theme From Papillon*

 


 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

 

 

* * *


 

 

* * *

 

Se eu pudesse trincar a terra toda
E sentir-lhe um paladar,
Seria mais feliz um momento ...
Mas eu nem sempre quero ser feliz.
É preciso ser de vez em quando infeliz
Para se poder ser natural...
Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se.
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E que haja rochedos e erva ...
O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja ...

 


Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XXI"

 

 

* Julee Cruise - The World Spins *


publicado por Cleópatra M.P. às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Quinta-feira, 17 de Junho de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

Meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais;

há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo,

pois estou longe de ser uma pessimista;

sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada,

uma alma que não se sente bem onde está,

que tem saudade… sei lá de quê!


 

Florbela Espanca, in "Cartas a Guido Battelli"


publicado por Cleópatra M.P. às 08:00
link do post | comentar | favorito!

Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

28
29
30