Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

 

 

 * * *

 

 

 

* * * 

 

 

 

* * * Artigo I * * * 

 Fica decretado que agora vale a verdade.
agora vale a vida,
e de mãos dadas,
marcharemos todos pela vida verdadeira.

 
* * * Artigo II * * *

 Fica decretado que todos os dias da semana,
inclusive as terças-feiras mais cinzentas,
têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

 

* * * Artigo III * * *

 Fica decretado que, a partir deste instante,
haverá girassóis em todas as janelas,
que os girassóis terão direito
a abrir-se dentro da sombra;
e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,
abertas para o verde onde cresce a esperança.

 

 * * * Artigo IV * * *

 Fica decretado que o homem
não precisará nunca mais
duvidar do homem.
Que o homem confiará no homem
como a palmeira confia no vento,
como o vento confia no ar,
como o ar confia no campo azul do céu.

 

 Parágrafo único:

 O homem, confiará no homem
como um menino confia em outro menino.

 

 * * * Artigo V * * * 

 Fica decretado que os homens
estão livres do jugo da mentira.
Nunca mais será preciso usar
a couraça do silêncio
nem a armadura de palavras.
O homem se sentará à mesa
com seu olhar limpo
porque a verdade passará a ser servida
antes da sobremesa.

 

 * * * Artigo VI * * * 

 Fica estabelecida, durante dez séculos,
a prática sonhada pelo profeta Isaías,
e o lobo e o cordeiro pastarão juntos
e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.

 

 * * * Artigo VII * * * 

 Por decreto irrevogável fica estabelecido
o reinado permanente da justiça e da claridade,
e a alegria será uma bandeira generosa
para sempre desfraldada na alma do povo.

 

* * * Artigo VIII * * * 

Fica decretado que a maior dor
sempre foi e será sempre
não poder dar-se amor a quem se ama
e saber que é a água
que dá à planta o milagre da flor.

 

* * * Artigo IX * * * 

Fica permitido que o pão de cada dia
tenha no homem o sinal de seu suor.
Mas que sobretudo tenha
sempre o quente sabor da ternura.

 

* * * Artigo X * * * 

Fica permitido a qualquer pessoa,
qualquer hora da vida,
uso do traje branco.

 

* * * Artigo XI * * * 

Fica decretado, por definição,
que o homem é um animal que ama
e que por isso é belo,
muito mais belo que a estrela da manhã.

 

* * * Artigo XII * * * 

Decreta-se que nada será obrigado
nem proibido,
tudo será permitido,
inclusive brincar com os rinocerontes
e caminhar pelas tardes
com uma imensa begônia na lapela.

 

Parágrafo único:

Só uma coisa fica proibida:
amar sem amor.

 

* * * Artigo XIII * * *

Fica decretado que o dinheiro
não poderá nunca mais comprar
o sol das manhãs vindouras.
Expulso do grande baú do medo,
o dinheiro se transformará em uma espada fraternal
para defender o direito de cantar
e a festa do dia que chegou.

 

* * * Artigo Final * * * 

Fica proibido o uso da palavra liberdade,
a qual será suprimida dos dicionários
e do pântano enganoso das bocas.
A partir deste instante
a liberdade será algo vivo e transparente
como um fogo ou um rio,
e a sua morada será sempre
o coração do homem. 
 

 

Thiago de Mello, Os Estatutos do Homem  

Santiago do Chile, Abril de 1964

 

publicado por Cleópatra M.P. às 11:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2010

 

 

* * *

 

 

                             * * *

  

NOBEL DA PAZ ATRIBUÍDO AO ACTIVISTA CHINÊS LIU XIAOBO

 

 

O MANIFESTO QUE VALEU A PRISÃO A XIAOBO

 

 

A 'CARTA 8' - CHARTER 08

 

 

                            * * *

 

 

* * *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 12:00
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 27 de Novembro de 2010

 

 

Muito, muito bom.

 

 

 * * *

 
Cazuza - O Tempo Não Pára

 

      * * * 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 21:25
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 4 de Novembro de 2010

 

 

* * *

.

 

* * *

 

"O palhaço compra empresas de alta tecnologia em Puerto Rico por milhões, vende-as em Marrocos por uma caixa de robalos e fica com o troco. E diz que não fez nada. O palhaço compra acções não cotadas e num ano consegue que rendam 147,5 por cento. E acha bem.

 

O palhaço escuta as conversas dos outros e diz que está a ser escutado. O palhaço é um mentiroso. O palhaço quer sempre maiorias. Absolutas. O palhaço é absoluto. O palhaço é quem nos faz abster. Ou votar em branco. Ou escrever no boletim de voto que não gostamos de palhaços. O palhaço coloca notícias nos jornais. O palhaço torna-nos descrentes. Um palhaço é igual a outro palhaço. E a outro. E são iguais entre si. O palhaço mete medo. Porque está em todo o lado. E ataca sempre que pode. E ataca sempre que o mandam. Sempre às escondidas. Seja a dar pontapés nas costas de agricultores de milho transgénico seja a desviar as atenções para os ruídos de fundo. Seja a instaurar processos. Seja a arquivar processos. Porque o palhaço é só ruído de fundo. Pagam-lhe para ser isso com fundos públicos. E ele vende-se por isso. Por qualquer preço. O palhaço é cobarde. É um cobarde impiedoso. É sempre desalmado quando espuma ofensas ou quando tapa a cara e ataca agricultores. Depois diz que não fez nada. Ou pede desculpa. O palhaço não tem vergonha. O palhaço está em comissões que tiram conclusões. Depois diz que não concluiu. E esconde-se atrás dos outros vociferando insultos. O palhaço porta-se como um labrego no Parlamento, como um boçal nos conselhos de administração e é grosseiro nas entrevistas. O palhaço está nas escolas a ensinar palhaçadas. E nos tribunais. Também. O palhaço não tem género. Por isso, para ele, o género não conta. Tem o género que o mandam ter. Ou que lhe convém. Por isso pode casar com qualquer género. E fingir que tem género. Ou que não o tem. O palhaço faz mal orçamentos. E depois rectifica-os. E diz que não dá dinheiro para desvarios. E depois dá. Porque o mandaram dar. E o palhaço cumpre. E o palhaço nacionaliza bancos e fica com o dinheiro dos depositantes. Mas deixa depositantes na rua. Sem dinheiro. A fazerem figura de palhaços pobres. O palhaço rouba. Dinheiro público. E quando se vê que roubou, quer que se diga que não roubou. Quer que se finja que não se viu nada.

 

Depois diz que quem viu o insulta. Porque viu o que não devia ver.

 

O palhaço é ruído de fundo que há-de acabar como todo o mal. Mas antes ainda vai viabilizar orçamentos e centros comerciais em cima de reservas da natureza, ocupar bancos e construir comboios que ninguém quer. Vai destruir estádios que construiu e que afinal ninguém queria. E vai fazer muito barulho com as suas pandeiretas digitais saracoteando-se em palhaçadas por comissões parlamentares, comarcas, ordens, jornais, gabinetes e presidências, conselhos e igrejas, escolas e asilos, roubando e violando porque acha que o pode fazer. Porque acha que é regimental e normal agredir violar e roubar.

 

E com isto o palhaço tem vindo a crescer e a ocupar espaço e a perder cada vez mais vergonha. O palhaço é inimputável. Porque não lhe tem acontecido nada desde que conseguiu uma passagem administrativa ou aprendeu o inglês dos técnicos e se tornou político. Este é o país do palhaço. Nós é que estamos a mais. E continuaremos a mais enquanto o deixarmos cá estar. A escolha é simples.

 

Ou nós, ou o palhaço."

 

Mário Crespo, in JN, 14.12.2009

 

 

 

VER NOTÍCIA AQUI

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 08:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Sexta-feira, 3 de Setembro de 2010

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

 Como corre a gazela
pela sombra dos bosques,
enlouquecida pelo próprio perfume,
assim corro eu, enlouquecido,
nesta noite do coração de maio
aquecida pela brisa do Sul.

Perdi o caminho
e erro ao acaso.
Quero o que não tenho,
e tenho o que não quero.

A imagem do meu próprio desejo
sai do meu coração
e, dançando diante de mim,
cintila uma e outra vez,
subitamente.

Quero agarrá-la, mas escapa-se.
E, já longe, chama-me outra vez
do atalho ...
Quero o que não tenho
e tenho o que não quero.

 

 

Rabindranath Tagore

Desejo Indomável in "O Coração da Primavera"

 

 

 

 

* Vangelis - Memories of Blue *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 09:05
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 20 de Agosto de 2010

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

 

                       * Elton John - Goodbye Yellow Brick Road *

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:46
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

 

 

... Marooned...!

 

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

publicado por Cleópatra M.P. às 02:46
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito!

Terça-feira, 10 de Agosto de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

Certa manhã
ia eu pelo caminho pedregoso,
quando, de espada desembainhada,
chegou o Rei no seu carro.
Gritei:
— Vendo-me!
O Rei tomou-me pela mão e disse:
— Sou poderoso, posso comprar-te.
Mas de nada lhe serviu o seu poder
e voltou sem mim no seu carro.

As casas estavam fechadas
ao sol do meio dia,
e eu vagueava pelo beco tortuoso
quando um velho
com um saco de oiro às costas
me saiu ao encontro.
Hesitou um momento, e disse:
— Posso comprar-te.
Uma a uma contou as suas moedas.
Mas eu voltei-lhe as costas
e fui-me embora.

Anoitecia e a sebe do jardim
estava toda florida.
Uma gentil rapariga
apareceu diante de mim, e disse:
— Compro-te com o meu sorriso.
Mas o sorriso empalideceu
e apagou-se nas suas lágrimas.
E regressou outra vez à sombra,
sozinha.

O sol faiscava na areia
e as ondas do mar
quebravam-se caprichosamente.
Um menino estava sentado na praia
brincando com as conchas.
Levantou a cabeça
e, como se me conhecesse, disse:
— Posso comprar-te com nada.
Desde que fiz este negócio a brincar,
sou livre.

 

 


Rabindranath Tagore,

O Último Negócio in "O Coração da Primavera"

 

 

 

* Pink Floyd - Coming Back To Life *


publicado por Cleópatra M.P. às 02:33
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 1 de Agosto de 2010

 

 

"

The time is now, the place is here.

 

Stay in the present.

 

You can do nothing to change the past, and the future will never

 

come exactly as you plan or hope for.

 

"

 

Dan Millman

 

 

 

* * *

 

 

* * *

 

"

If you don't get what you want, you suffer;

 

if you get what you don't want, you suffer;

 

even when you get exactly what you want, you still suffer because you can't hold on to it forever.

 

Your mind is your predicament.

 

It wants to be free of change. Free of pain, free of the obligations of life and death.

 

But change is a law, and no amount of pretending will alter that reality.

 

"

 

Dan Millman

 


publicado por Cleópatra M.P. às 18:46
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 30 de Julho de 2010

 

 

 

 

* * *

 

POR TI SERE GAVIOTA DE TU BELLA MAR

 

 

 

* * *

 

*

The moment that you stepped into the room


You took my breath away

 

*

 

 

FREDDIE MERCURY & MONTSERRAT CABALLE-BARCELONA 1988

.

.

 

 

.

publicado por Cleópatra M.P. às 22:49
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sábado, 17 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

.

 

 

* * *

 

Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem diga nem todas, só as de verão.
Mas no fundo isso não tem muita importância.
O que interessa mesmo não são as noites em si, são os sonhos.
Sonhos que o homem sonha sempre.
Em todos os lugares, em todas as épocas do ano,
dormindo ou acordado.

William Shakespeare

 

 

* Loreena McKennitt - The Mistic's Dream *


 

... Um sonho nebuloso numa noite terrena

Paira sobre a lua crescente...

 

*

 

[... A clouded dream on an earthly night

Hangs upon the crescent moon...]

 


publicado por Cleópatra M.P. às 00:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 16 de Julho de 2010
 

 

 

 

* * *

.

.NA PALMA DA MÃO.jpeg

 

 

* * *

.

 

 

.

.

.

Ver o mundo num grão de areia,


o céu numa flor silvestre,


agarrar o infinito na palma da mão


e a eternidade numa hora.

.

.

William Blake in 'Auguries of Innocence'

.

.

.

 

* Vangelis - Message *

 

 


publicado por Cleópatra M.P. às 03:44
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 10 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

As pessoas têm estrelas que não são as mesmas. Para uns, que viajam, as estrelas são guias. Para outros, elas não passam de pequenas luzes. Para outros, os sábios, são problemas. Para o meu negociante, eram ouro. Mas todas essas estrelas se calam. Tu porém, terás estrelas como ninguém... Quero dizer: quando olhares o céu de noite, (porque habitarei uma delas e estarei rindo), então será como se todas as estrelas te rissem! E tu terás estrelas que sabem sorrir! Assim, tu te sentirás contente por me teres conhecido. Tu serás sempre meu amigo (basta olhar para o céu e estarei lá). Terás vontade de rir comigo. E abrirá, às vezes, a janela à toa, por gosto... e teus amigos ficarão espantados de ouvir-te rir olhando o céu. Sim, as estrelas, elas sempre me fazem rir!

 

 

Antoine de Saint-Exupéry, in "O Principezinho"

 


publicado por Cleópatra M.P. às 21:42
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Terça-feira, 29 de Junho de 2010

 

 

Hoje um amigo fez-me recordar este poema maravilhoso de Eduardo Alves da Costa, cuja autoria é muitas vezes atribuída, erradamente, ao poeta russo Maiakovski.

 

* * *

 

 

* * *



Assim como a criança
humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiakósvki.
Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.

Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho e nossa casa,
rouba-nos a luz e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz:
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas amanhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.

Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.
Mas eu sei,
porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.

Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas no tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares,
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.

E por temor eu me calo.
Por temor, aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita - MENTIRA!

 

 

Eduardo Alves da Costa, No caminho com Maiakóvski, 1936

 


publicado por Cleópatra M.P. às 09:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

 

 

Filme baseado em factos verídicos.

 

Henri Charrière (1906 - 1973), escritor francês, autor do livro 'Papillon' e ex-militar da marinha francesa, foi condenado injustamente à pena de prisão perpétua e mandado para o exílio na Ilha do Diabo, Guiana Francesa. Aí conheceu outros personagens os quais participaram no seu livro.


 

 

 

 

 

Um dos últimos filmes protagonizados por Steve McQueen (1930 - 1980)

 

                  

 

 

                            


*Jerry Goldsmith - Theme From Papillon*

 


 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Terça-feira, 22 de Junho de 2010
.
* * *
.

.
* * *
.
.

Senhor, que és o céu e a terra, que és a vida e a morte! O sol és tu e a lua és tu e o vento és tu!

Tu és os nossos corpos e as nossas almas e o nosso amor és tu também.

Onde nada está tu habitas e onde tudo está - (o teu templo) - eis o teu corpo.

Dá-me alma para te servir e alma para te amar.

Dá-me vista para te ver sempre no céu e na terra, ouvidos para te ouvir no vento e no mar, e mãos para trabalhar em teu nome.

Torna-me puro como a água e alto como o céu. Que não haja lama nas estradas dos meus pensamentos nem folhas mortas nas lagoas dos meus propósitos. Faze com que eu saiba amar os outros como irmãos e servir-te como a um pai.

Minha vida seja digna da tua presença. Meu corpo seja digno da terra, tua cama.

Minha alma possa aparecer diante de ti como um filho que volta ao lar.

Torna-me grande como o Sol, para que eu te possa adorar em mim; e torna-me puro como a lua, para que eu te possa rezar em mim; e torna-me claro como o dia para que eu te possa ver sempre em mim e rezar-te e adorar-te.

Senhor, protege-me e ampara-me. Dá-me que eu me sinta teu. Senhor, livra-me de mim.

 

 

Fernando Pessoa in "O Eu Profundo"

.

.

publicado por Cleópatra M.P. às 00:02
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito!

Quarta-feira, 2 de Junho de 2010
 

 

 

* * *

 

QUERO E VOU.png

.

 

* * *

 

 

Quero ir!


Quero voar!


Quero saír,


Quero voltar...


* * *

 

Quero viver!


Quero sentir!


Quero ver,


Quero partir...


 

Cleo

 

 

 

 

*Vangelis - Ask the Mountains*

.

.

publicado por Cleópatra M.P. às 12:54
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 1 de Junho de 2010

 

 

Do mesmo realizador do filme 'Em Nome Do Pai'.

 

 

* * *

 

 

* * *


publicado por Cleópatra M.P. às 08:32
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 30 de Maio de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *


publicado por Cleópatra M.P. às 19:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Terça-feira, 25 de Maio de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

Ora ( direis ) ouvir estrelas!
Certo, perdeste o senso!
E eu vos direi, no entanto
Que, para ouví-las,
muitas vezes desperto
E abro as janelas, pálido de espanto

E conversamos toda a noite,
enquanto a Via-Láctea, como um pálio aberto,
Cintila.
E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas?
Que sentido tem o que dizem,
quando estão contigo? "

E eu vos direi:
"Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e e de entender estrelas"

 

 

Olavo Bilac, Ouvir Estrelas

 

 

 

* Caetano Veloso e Flávio Venturini

Céu de Santo Amaro *

 


publicado por Cleópatra M.P. às 01:02
link do post | comentar | favorito!

Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
27

28
29
30


Tradutor | Translator
Free counters!