Sábado, 4 de Março de 2017

 

 

Bela canção tradicional Irlandesa do século XVII, frequentemente cantada, tanto na Irlanda como na Escócia, no final de encontros entre amigos.

 

 

 

Of all the money that e'er I spent 
I've spent it in good company 
And all the harm that ever I did 
Alas it was to none but me 
And all I've done for want of wit 
To memory now I can't recall 
So fill to me the parting glass 
Good night and joy be with you all

If I had money enough to spend 
And leisure to sit awhile
There is a fair maid in the town 
That sorely has my heart beguiled 
Her rosy cheeks and ruby lips 
I own she has my heart enthralled 
So fill to me the parting glass 
Good night and joy be with you all

Oh, all the comrades that e'er I had 
They're sorry for my going away 
And all the sweethearts that e'er I had 
They'd wish me one more day to stay 
But since it falls unto my lot 
That I should rise and you should not 
I'll gently rise and softly call 
Good night and joy be with you all

 

The Parting Glass (popular Irish song, 17th century)

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

 

Todo o bom dinheiro

Que eu tinha

Gastei-o em boa companhia, sim

E todo o mal

Que alguma vez fiz

Acabou por ser mal

Apenas para mim

E tudo o que fiz

Por falta de discernimento

Já não consigo agora recordar

Então, enche-me

O copo da despedida

Boa noite e alegria para todos vocês

(…)

Mas já que a mim

Cabe a função

Devo ir embora

E vocês não

Levanto-me calmamente

E digo devagar

Boa noite e alegria para todos vocês

Então a mim

Cabe a função

Devo ir embora

E vocês não

Levanto simplesmente

O meu copo e digo

Boa noite e alegria…

E tudo o que fiz

Por falta de discernimento

Já não consigo agora recordar

Então enche-me

O copo da despedida

Boa noite e…

Alegria para todos vocês

 

O Copo da Despedida (canção tradicional Irlandesa, Século XVII)

 


Sinéad O'Connor - The parting glass

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 2 de Março de 2017

 

 

Carrego o teu coração comigo
Carrego-o no meu coração
Nunca estou sem ele
Onde eu vou, tu vais
E o que é feito por mim, és tu que fazes
Não receio nenhum destino
Tu és o meu destino
Eu não quero outro mundo
Tu és o meu mundo, a minha verdade
Tu és o significado da Lua
Onde quer que o Sol brilhe, tu és o seu canto
 
Aqui está o segredo mais profundo que ninguém sabe
Aqui está a raiz da raiz e o botão do botão
E o céu do céu de uma árvore chamada vida
A qual cresce mais alto
Do que a alma espera ou a mente esconde
Este é o milagre que mantém as estrelas separadas
Carrego o teu coração comigo
Carrego-o no meu coração
 
 
E.E. Cummings, Carrego o teu coração comigo
 
 
 
* * *

CÉU DO CÉU | SKY OF THE SKY

 

 
* * *
 
 
I carry your heart with me
(I carry it in my heart)
I am never without it
(anywhere I go you go, my dear; and whatever is done
by only me is your doing, my darling)
 
I fear no fate
(for you are my fate, my sweet)
I want no world
(for beautiful you are my world, my true)
and it’s you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you
Here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root
and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life;
which grows higher than the soul can hope or mind can hide)
and this is the wonder that’s keeping the stars apart
 
I carry your heart (I carry it in my heart)
 
 
E.E. Cummings, I carry your heart with me
 
 
publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 11 de Junho de 2015

 

 

 

* * *

 

ABSOLUTAMENTE VERDADE... | IT'S ABSOLUTELY TRU

 

 

* * *

 

 

"I've nothing much to offer

There's nothing much to take

I'm an absolute beginner

And I'm absolutely sane

As long as we're together

The rest can go to hell

I absolutely love you

But we're absolute beginners

With eyes completely open

But nervous all the same


If our love song

Could fly over mountains

Could laugh at the ocean

Just like the films

There's no reason

To feel all the hard times

To lay down the hard lines

It's absolutely true


Nothing much could happen

Nothing we can't shake

Oh we're absolute beginners

With nothing much at stake

As long as you're still smiling

There's nothing more I need

I absolutely love you

But we're absolute beginners

But if my love is your love

We're certain to succeed


If our love song

Could fly over mountains

Sail over heartaches

Just like the films

There's no reason

To feel all the hard times

To lay down the hard lines

It's absolutely true"

 

 

David Bowie, Absolute Beginners

 

 

 

 * * *


David Bowie, Absolute Beginners

 

* * *

 




 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 15 de Abril de 2015

 

 

* * *

'Sunset.

Another sunset.

I know it looks undistinguishable from the last but I remember the difference.'

* * *

 

 

Hoje finalmente encontrei este tema!

Só o ouvi uma vez, há vários anos.

 

E há vários anos que o procurava, mas não sabia o titulo nem o autor.

Mesmo assim, procurei das mais variadas formas. E nada!

 

Eu sabia que o encontraria. 

Nos últimos dias, estava constantemente a lembrar-me dele,

e com a sensação estranhamente boa que o encontraria em breve.


E sim! Foi hoje!


O tema veio ter comigo! Literalmente!

Na Rádio Nostalgia​, ao início da noite, na edição da"Idade da inocência" de Luis Ferreira de Almeida.

Eu estava a conduzir, e quando ouvi as primeiras notas e me pareceu o tema que eu tanto procurei,

tive que parar o carro para ouvir! Eu sei, é estranho, mas é verdade!


Foi um momento muito feliz para mim.

Obrigada Rádio Nostalgia! 

Obrigada Luis Ferreira de Almeida por ter escolhido precisamente este tema, entre tantos outros,

para homenagear Richard Harris.

 

'Slides' de Richard Harris!!!

 

Muito bom. Encontrei-o!

Encontrei-o, finalmente!

 

 

RÁDIO NOSTALGIA - Online

 

RADIO NOSTALGIA - Facebook

 

 

 

* * *

 

SLIDES. ENCONTREI-TE | SLIDES. I FOUND YOU

 

 

* * *

 

 

"Morning chaps.

I’d like to welcome you back to the third form of your years,

I trust you’ll thrive in here.

Others in the past have come alive in here.

Happy to say they found their way.

You recall I asked, back when I saw you last,

that you’d consult my list of books for summer reading.

We’ll go over those and others

you’ll be needing for the coming year, if I’m still here.

I suppose you heard the word that’s going about,

my superiors doubt I’m fit to teach you.

Have a nip before the game and they’ll impeach you.

Forget about the fact that I reach you.

I reach you.

Well, enough of that.

Lets get on with it.

I’ve arranged to show some slides that might amuse you.

And if, of course, you’re bored, then I’ll excuse you.

Though what you’re about to see,

in times of sickness, is my cure,

living well is my best revenge, you can be sure.

This is the Grand Canyon, in the great State of Arizona.

See there, the magnificent blend of all the colours of the rainbow.

It is virtually unphotographable at any given point to so vast.

The Colorado River trickles through its base like a deeply buried brook.

Geologists say that with time and erosion the Pacific Ocean,

some 300 miles West, will one day reach the Canyon and flow through there.

I camped here, see?

Right there.

Oh, what peace I found.

The only sounds I heard were the sounds I made.

No-no, it is true.

And here beyond, on a remote roadside stand,

an Indian boy planted himself arms folded beneath a sign 

that said “seashells should lead the world”.

This is a hobo, a dying bread.

A pity.

He claimed that an inheritance fortune

awaited him in a bank back East but he couldn’t care less.

There’s more of them.

The one with the umbrella claimed to be the real Mr. Bojangles.

Sunset.

Another sunset.

I know it looks undistinguishable from the last but I remember the difference.

Vancouver, British Columbia.

I spent some time there at a ski lodge.

Something so healthy and wholesome about skiers.

Like this one.

She always seemed to appear when I took a slip

on the slops where I had no business being.

But I’d look up and there she’d be.

And soon it happen that whenever she’d turned and look up, there I’d be.

The chalet.

Inside there, by a warm fire, is where my mind has want to wander now.

To the scent of pine and the taste of wine.

You’re too young for wine now but make a note of it.

There she is again.

We rented those horses for a day.

See mine? His name was...

Oh what was it now? I forget. Oh yes, it was sugar.

And there’s my friend again.

She looks rather sad there.

It seems that everyday, well, she always had some special plan for us.

And this, this is a beautiful Indian girl.

Look at her!

She and her secret mysterious ways.

The pride of her people.

Our sunshine, the said of her.

This was the road South into Oregon.

This is how logs are transported, long rafts that trail the northwest rivers.

Big Sur, California.

An old Spanish Mission.

Carmel, California.

Those trees seemed frozen against the landscape.

They remind me of a book I once heard of called The Cypresses Believe in God.

This was near the end of my adventure.

The clock in my head told me it was time to leave.

So that I was more concerned with seeing

what I could first hand

rather then rush for the camera.

I find that travelling alone is somehow more realistic then with others.

You find yourself in a new place all alone and you deal with it

as oppose to when you’re with others who are familiar to you

and in a sense shelter you from situations you would otherwise meet head on.

You know what I mean?

Besides, if your loved ones are with you, you have no one to go home to."



Richard Harris, Slides, 1972
 

 

 


Slides - Richard Harris (original album version)

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

 

 

 

* * *

DUST IN THE WIND

 

* * *

 

I close my eyes only for a moment, and the moment's gone
All my dreams pass before my eyes, a curiosity

 

Dust in the wind, all they are is dust in the wind

Same old song, just a drop of water in an endless sea
All we do crumbles to the ground, though we refuse to see

Dust in the wind, all we are is dust in the wind

Now, don't hang on, nothing lasts forever but the earth and sky
It slips away, and all your money won't another minute buy

Dust in the wind, all we are is dust in the wind (all we are is dust in the wind)
Dust in the wind (everything is dust in the wind), everything is dust in the wind (the wind)

 

 

Kansas, Dust in The Wind


 


Kansas, Dust in The Wind

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

 

 

 

* * *

 

SEI. EU SEI.

 

 

* * *

 

 

Sabe quando a gente tem vontade de encontrar
A novidade de uma pessoa
Quando o tempo passa rápido
Quando você está ao lado dessa pessoa
Quando dá vontade de ficar nos braços dela
E nunca mais sair

 

 

Sabe, quando a felicidade invade
Quando pensa na imagem da pessoa
Quando lembra que seus lábios encontraram
Outros lábios de uma pessoa
E o beijo esperado ainda está molhado
E guardado ali
Em sua boca
Que se abre e sorri feliz
Quando fala o nome daquela pessoa
Quando quer beijar de novo, muito
Os lábios desejados da sua pessoa
Quando quer que acabe logo a viagem
Que levou ela pra longe daqui

 

 

Sabe, quando passa a nuvem em brasa
Abre o corpo, o sopro do ar que traz essa pessoa
Quando quer ali deitar, se alimentar
E entregar seu corpo pra pessoa
Quando pensa porque não disse a verdade
É que eu queria que ela estivesse aqui

 

 

Sabe, quando a felicidade invade
Quando pensa na imagem da pessoa
Quando lembra que seus lábios encontraram
Outros lábios de uma pessoa
E o beijo esperado ainda está molhado
E guardado ali
Em sua boca
Que se abre e sorri feliz
Quando fala o nome daquela pessoa
Quando quer beijar de novo, muito
Os lábios desejados da sua pessoa
Quando pensa porque não disse a verdade
É que eu queria que ela estivesse aqui

 

 

Sei

Eu sei

 

 

Nando Reis, 'Sei'

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Domingo, 6 de Janeiro de 2013

 

 

* * *

WOULD'T IT BE GOOD?

 

* * *

 

 

 

"Wouldn't it be good to be in your shoes,
Even if it was for just one day?
Wouldn't it be good if we could wish ourselves away?
Wouldn't it be good to be on your side?
The grass is always greener over there.
Wouldn't it be good if we cold live without a care?"
 
Nik Kershaw, Wouldn't It Be Good
 
 
 
 
 Nik Kershaw, Wouldn't It Be Good
 
 
 
 
publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 13 de Novembro de 2012

 

 

* * *

 

EM TODAS AS RUAS TE ENCONTRO

 

 

* * *

 

 


"Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto tão perto tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco"



Mário Cesariny, Poema




publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 30 de Outubro de 2012

 

 

 

* * *

 

O ENTENDIMENTO DAS ALMAS

 

 

* * *

 

 

"As almas têm um modo especial de se entenderem, de entrarem em intimidade, de se tratarem, até, por tu, enquanto as pessoas ainda se sentem embaraçadas com o comércio das palavras, na escravidão das exigências sociais. As almas têm necessidades próprias e aspirações próprias, que o corpo finge não reconhecer quando se vê impossibilitado de as satisfazer a de as traduzir em acções. E de todas as vezes que duas pessoas comunicam entre si desta maneira, apenas como almas, se encontram a sós num qualquer lugar, experimentam uma perturbação angustiosa e quase um repúdio violento de todo e qualquer contacto material, um sofrimento que os afasta e que cessa de imediato logo que intervém uma terceira pessoa. Então, desvanecida a angústia, as duas almas aliviadas buscam-se reciprocamente e voltam a sorrir uma para a outra."

 

 

Luigi Pirandello

 

 



publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

 

 

* * *

 

 

* * *

 

"O que me importa
Seu carinho agora
Se é muito tarde
Para amar você

 


O que me importa
Se você me adora
Se já não há razão
Para lhe querer

 


O que me importa
Ver você sofrendo assim
Se quando eu lhe quis
Você nem mesmo soube
Dar amor

 


O que me importa
Ver você chorando
Se tantas vezes
Eu chorei também

 


O que me importa
Sua voz chamando
Se pra você jamais
Eu fui alguém

 


O que me importa
Essa tristeza em seu olhar
Se o meu olhar
Tem mais tristezas
Pra chorar
Que o seu

 


O que me importa
Ver você tão triste
Se triste fui
E você nem ligou

 


O que me importa
O seu carinho agora
Se para mim
A vida terminou
Terminou
Terminou..."

 

 

* * *

 

 O Que Me Importa

Tim Maia

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 23:20
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 19 de Fevereiro de 2011

 

 

 * * *  

 

 

* * *

 

 

"Releio passivamente, recebendo o que sinto como uma inspiração e um livramento, aquelas frases simples de Caeiro, na referência natural do que resulta do pequeno tamanho de sua aldeia. Dali, diz ele, porque é pequena, pode ver-se mais do mundo do que da cidade; e pori sso a aldeia é maior que a cidade...

 

 

 

  "Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura."

 

 
Frases como estas, que parecem crescer sem vontade que as houvesse dito, limpam-me de toda a metafísica que espontaneamente acrescento à vida. Depois de as ler, chego à minha janela sobre a rua estreita, olho o grande céu e os muitos astros, e sou livre com um esplendor alado cuja vibração me estremece no corpo todo. "Sou do tamanho do que vejo!"Cada vez que penso esta frase com toda a atenção dos meus nervos, ela me parece mais destinada a reconstruir consteladamente o universo. "Sou do tamanho do que vejo!" Que grande posse mental vai desde o poço das emoções profundas até às altas estrelas que se reflectem nele e, assim, em certo modo, ali estão. E já agora, consciente de saber ver, olho a vasta metafísica objectiva dos céus todos com uma segurança que me dá vontade de morrer cantando. "Sou do tamanho do que vejo!" E o vago luar, inteiramente meu, começa a estragar de vago o azul meio-negro do horizonte. Tenho vontade de erguer os braços e gritar coisas de uma selvageria ignorada, de dizer palavras aos mistérios altos, de afirmar uma nova personalidade larga aos grandes espaços da matéria vazia.
Mas recolho-me e abrando-me. "Sou do tamanho do que vejo!" E a frase fica sendo-me a alma inteira, encosto a ela todas as emoções que sinto, e sobre mim, por dentro, como sobre a cidade por fora, cai a paz indecifrável do luar duro que começa largo com o anoitecer."

 

 

   

Fernando Pessoa, in O Livro do Desassossego

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:35
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010

 

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

 Nem todo o corpo é carne... Não, nem todo
Que dizer do pescoço, às vezes mármore,
às vezes linho, lago, tronco de árvore,
nuvem, ou ave, ao tacto sempre pouco...?

E o ventre, inconsistente como o lodo?...
E o morno gradeamento dos teus braços?
Não, meu amor... Nem todo o corpo é carne:
é também água, terra, vento, fogo...

É sobretudo sombra à despedida;
onda de pedra em cada reencontro;
no parque da memória o fugidio

vulto da Primavera em pleno Outono...
Nem só de carne é feito este presídio,
pois no teu corpo existe o mundo todo!

 

 

 

David Mourão-Ferreira, Presídio in “Obra Poética”

 


 

publicado por Cleópatra M.P. às 15:14
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 15 de Setembro de 2010

 

 

 

* * *

 

 

 

* * *

  

 

Não quero amor
que não saiba dominar-se,
desse, como vinho espumante,
que parte o copo e se entorna,
perdido num instante.

Dá-me esse amor fresco e puro
como a tua chuva,
que abençoa a terra sequiosa,
e enche as talhas do lar.
Amor que penetre até ao centro da vida,
e dali se estenda como seiva invisível,
até aos ramos da árvore da existência,
e faça nascer
as flores e os frutos.
Dá-me esse amor
que conserva tranquilo o coração,
na plenitude da paz!

 

 

Rabindranath Tagore

Amor Pacífico e Fecundo in "O Coração da Primavera"

 


 

publicado por Cleópatra M.P. às 08:20
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Segunda-feira, 13 de Setembro de 2010

 

 

 

* * *

  

 

 

* * *

 

 

Foi na semana passada. A meio da semana.

Nós os dois. Por acaso. Uma casa antiga, muito grande, estilo colonial. Branca. Portas e janelas em madeira pintada de azul turquesa. Linda. Árvores de grande porte na frente. Frondosas. Em fila. O casamento de alguém. Não me lembro quem. Para dizer a verdade, nem interessa, sabes? O importante éramos nós os dois, ali, assim sem contarmos. Sem termos feito nada para que acontecesse. Acaso. Será? Acaso? Nem sei, imagina lá tu. Claro que foi acaso. Não! Não foi nada disso. Há certas coisas na vida que não são acasos. Esta foi uma delas. Um momento indelével. Sem jogos, sem xeque-mate. Sem medo. Sem medos. Várias centelhas felizes dentro de um momento único.

A felicidade e a alegria que sentimos depois de tanto tempo de afastamento. Ai como é bom sentir o amor verdadeiro, o privilégio que é sermos um puzzle de duas peças.

O amor? Sim, acredito. Claro que acredito. Provas? Tenho várias! Mas nem precisava, sabes disso...

A festa? Era um casamento, já te disse, distraído! As pessoas, os convidados? Nem sei. Acreditas que não consigo lembrar-me? Quando te olhei, não vi mais ninguém. Mas tu certamente também não recordas quem lá estava, e nem eu te perguntaria por eles. Não interessa. Eram apenas os outros.

Depois olhei-te novamente e... vi-te. A minha alma aqueceu. E como aqueceu! A minha alma sempre aquecia de cada vez que te via. E essa particularidade não mudou. Ali estávamos nós, tão bem, tão maravilhosamente bem. Desaparecemos da festa, por um dos vários corredores da mansão. A correr de mão dada, os nossos pés a baterem com força no chão de madeira. Duas crianças que não conseguem disfarçar a felicidade que sentem. Tenho a certeza que nos perdoaram o egoísmo.

Quando nos encontraremos de novo? Mais logo? Então tenho que adormecer... encontro-te do outro lado.

 

 

Cleo.

 

* Vangelis - Come to Me *

                                                                                          

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:53
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 24 de Agosto de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 

 

           

.

 

                               * * *

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:23
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Quinta-feira, 29 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

 

 

* * *

 


 

* Blank & Jones - Someone Like You *


"

I've been searching a long time

For someone exactly like you
I've been traveling all around the world
Waiting for you to come through
Someone like you
Make it all worth while
Someone like you


(...)


I've been all around the world
Marching to the beat of a different drum
But just lately I have realized
Baby the best is yet to come

 

(...)

 

"


publicado por Cleópatra M.P. às 22:45
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 22 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

 

                      * * *

 

 

Quem não sente o que lhe fazem,


também não sente o que faz aos outros.


 

Cleópatra M.P.

 

 

 

* Vangelis - La Petite Fille de la Mer *

 


publicado por Cleópatra M.P. às 01:12
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 2 de Julho de 2010

 

 

* * *

 

SO SLIDE BACK DOWN AND CLOSE YOUR EYES

 

 

* * *

 

 

"Dantes dizia-se, quando alguém morria, que um corvo levava a sua alma para a terra dos mortos.

Mas, às vezes, algo tão mau acontece, que uma tristeza terrível acompanha a alma, não a deixando repousar.

E às vezes, só às vezes, o corvo pode trazer a alma de volta para corrigir o que estava errado.

 

Um prédio arde.

Só restam cinzas.

Pensava que tudo se passava assim.

Famílias.

Amigos.

Sentimentos.

Mas agora eu sei que, às vezes,

se o amor for verdadeiro, nada separa duas pessoas que se amam.

 

Se aqueles que amamos nos são roubados,

temos que os amar sempre para que eles vivam mais.

 

Edifícios ardem.

Pessoas morrem.

Mas o amor sincero vive para sempre."

 

 

 

Excerto retirado do filme O Corvo

 

 

* * *

 


The Cure - Burn

 

... Lamentavelmente, o último filme com Brandon Lee.

 

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:00
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 27 de Junho de 2010

 

 

* * *

 

* * *

 

* Mono - Moonlight *



publicado por Cleópatra M.P. às 00:11
link do post | comentar | favorito!

Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

 

 

Filme baseado em factos verídicos.

 

Henri Charrière (1906 - 1973), escritor francês, autor do livro 'Papillon' e ex-militar da marinha francesa, foi condenado injustamente à pena de prisão perpétua e mandado para o exílio na Ilha do Diabo, Guiana Francesa. Aí conheceu outros personagens os quais participaram no seu livro.


 

 

 

 

 

Um dos últimos filmes protagonizados por Steve McQueen (1930 - 1980)

 

                  

 

 

                            


*Jerry Goldsmith - Theme From Papillon*

 


 

publicado por Cleópatra M.P. às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Tradutor | Translator
Free counters!