Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011

 

 

 

* * *

 

 

* * *

 

 

"Deito-me ao comprido na erva.
E esqueço do quanto me ensinaram.
O que me ensinaram nunca me deu mais calor nem mais frio,
O que me disseram que havia nunca me alterou a forma de uma coisa.
O que me aprenderam a ver nunca tocou nos meus olhos.
O que me apontaram nunca estava ali: estava ali só o que ali estava."


Alberto Caeiro, in Fragmentos


 

 

Categorias: ,
publicado por Cleópatra M.P. às 16:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2011

 

 

Farewell... Farewell...

 

 

* * *

 

 

* * *

Para o vaivém Discovery, termina uma carreira de 27 anos.

 

A primeira missão foi em 30 de Agosto de 1984. Em Abril de 1990 colocou o telescópio Hubble em órbita, e ontem iniciou a sua 39.ª e última missão. Foi o primeiro veículo espacial pilotado por uma mulher, Eileen Collins, em 1995. Quatro anos mais tarde, Eileen Collins assumia o comando do vaivém.

Também em 1995, o Discovery tornou-se o primeiro vaivém a fazer o rendez-vous com a Estação Espacial Russa (MIR).

 

 

VER NOTÍCIA AQUI

 

MAIS AQUI

 

E AQUI

publicado por Cleópatra M.P. às 11:34
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011

 

 

"Pride can stand a thousand trials
The strong will never fall
But watching stars without you
My soul cries

Heaving heart is full of pain
Oooh, oooh, the aching
'Cause I'm kissing you, oooh
I'm kissing you, oooh

Touch me deep, pure and true
Give to me forever
'Cause I'm kissing you, oooh
I'm kissing you, oooh

Where are you now
Where are you now
'Cause I'm kissing you
I'm kissing you, oooh"

 

 

Kissing You, Des'ree & Craig Armstrong

 

 

* * *


Des'ree - I'm Kissing You

 

                               * * *

publicado por Cleópatra M.P. às 22:58
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011

 

 

* * *

The Korgis - Everybody's Got To Learn Sometime

 

* * *

 

"Que o meu coração esteja sempre aberto às pequenas
aves que são os segredos da vida
o que quer que cantem é melhor do que conhecer
e se os homens não as ouvem estão velhos

que o meu pensamento caminhe pelo faminto
e destemido e sedento e servil
e mesmo que seja domingo que eu me engane
pois sempre que os homens têm razão não são jovens

e que eu não faça nada de útil
e te ame muito mais do que verdadeiramente
nunca houve ninguém tão louco que não conseguisse
chamar a si todo o céu com um sorriso"


E. E. Cummings, in  Livrodepoemas

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 23:40
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 19 de Fevereiro de 2011

 

 

 * * *  

 

 

* * *

 

 

"Releio passivamente, recebendo o que sinto como uma inspiração e um livramento, aquelas frases simples de Caeiro, na referência natural do que resulta do pequeno tamanho de sua aldeia. Dali, diz ele, porque é pequena, pode ver-se mais do mundo do que da cidade; e pori sso a aldeia é maior que a cidade...

 

 

 

  "Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura."

 

 
Frases como estas, que parecem crescer sem vontade que as houvesse dito, limpam-me de toda a metafísica que espontaneamente acrescento à vida. Depois de as ler, chego à minha janela sobre a rua estreita, olho o grande céu e os muitos astros, e sou livre com um esplendor alado cuja vibração me estremece no corpo todo. "Sou do tamanho do que vejo!"Cada vez que penso esta frase com toda a atenção dos meus nervos, ela me parece mais destinada a reconstruir consteladamente o universo. "Sou do tamanho do que vejo!" Que grande posse mental vai desde o poço das emoções profundas até às altas estrelas que se reflectem nele e, assim, em certo modo, ali estão. E já agora, consciente de saber ver, olho a vasta metafísica objectiva dos céus todos com uma segurança que me dá vontade de morrer cantando. "Sou do tamanho do que vejo!" E o vago luar, inteiramente meu, começa a estragar de vago o azul meio-negro do horizonte. Tenho vontade de erguer os braços e gritar coisas de uma selvageria ignorada, de dizer palavras aos mistérios altos, de afirmar uma nova personalidade larga aos grandes espaços da matéria vazia.
Mas recolho-me e abrando-me. "Sou do tamanho do que vejo!" E a frase fica sendo-me a alma inteira, encosto a ela todas as emoções que sinto, e sobre mim, por dentro, como sobre a cidade por fora, cai a paz indecifrável do luar duro que começa largo com o anoitecer."

 

 

   

Fernando Pessoa, in O Livro do Desassossego

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:35
link do post | comentar | favorito!

Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

 

* * *

 

* * *

 

* * *

 

* * *

 

 Lembram-se do anúncio publicitário? Eu lembro-me bem!!

 

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 23:40
link do post | comentar | favorito!

 

 

* * *

 

* * *

 

Há 249 dias sem conseguir formar governo, a Bélgica bate recorde mundial e 'rouba' 1º lugar ao Iraque.

 

Sem governo, porque flamengos e francófonos não se entendem... 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 12:54
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011

 

* * *

 

                            * * *

 

publicado por Cleópatra M.P. às 15:34
link do post | comentar | favorito!

Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011

 

 

Um livro excelente que li na adolescência, e que tenho sempre por perto. De vez em quando, abro-o aleatoriamente e leio um bom bocado. E fico deliciada com as notas que escrevi naquela época, nos bordos das páginas...

 

 

* * * 

  

"Embora tivesse de me deitar cedo, às vezes, no inverno, via as estrelas. Costumava olhar para elas, cintilantes e distantes, e ficava a pensar o que é que elas eram. Perguntava a miúdos mais velhos e a adultos, que normalmente só me respondiam: 'São luzes no céu, pazinho.' Que eram luzes no céu também eu via. Mas o que eram elas? Simples lampadazinhas suspensas? Para quê? Sentia uma certa pena delas: uma banalidade cujo enigma eu de certo modo escondia dos meus indiferentes companheiros. Tinha de haver uma resposta mais profunda.

Mal atingi a idade necessáia, os meus pais deram-me o meu primeiro cartão de biblioteca. Parece-me que a biblioteca era na Rua 85, para mim terreno estranho. Imediatamente pedi à bibliotecária alguma coisa que falasse de estrelas. E ela voltou com um livro ilustrado com retratos de homens e mulheres com nomes como Clark Gable e Jean Harlow. Eu reclamei e, por alguma razão que na altura não percebi, ele sorriu e foi buscar outro livro - um dos que eu queria. Abri-o de respiração suspensa e li até encontrar. O livro dizia uma coisa espantosa, um enorme pensamento. Dizia que as estrelas eram sóis, só que muito distantes. O Sol era uma estrela, mas próxima. (...) Não tinha a mínima hipótese de calcular a distância até às estrelas. Mas sabia que, se as estrelas eram sóis, tinham de estar muito, muito longe - mais longe que a Rua 85, mais longe do que Manhattan, provavelmente mais longe do que a Nova Jérsia. O cosmos era muito maior do que eu tinha imaginado. (...) Então, nesse caso, pensei eu, é legítimo pensar que as outras estrelas também têm planetas, que ainda não detectámos, e que alguns dessoutros planetas devem ter vida (porque não?), um tipo de vida provavelmente diferente daquela que nós conhecemos, a vida em Brooklyn. E assim decidi que havia de ser astrónomo, estudar as estrelas e planetas e, se pudesse, ir visitá-los. (...)

O que são as estrelas? É uma pergunta tão natural como o sorriso duma criança. E nós sempre a fizemos. O que distingue a nossa época é que, finalmente, sabemos algumas das respostas. (...)

O que é que os nossos antepassados julgavam que eram as estrelas?"

  

  

Carl Sagan (1934 - 1996)

in Cosmos, Edição Gradiva, pp.194-196

  

 

* * *

 


Unreleased music suite - Cosmos Special Edition 1986 by Vangelis

 

 

* * *

publicado por Cleópatra M.P. às 00:37
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011

 

 

* * *

 

Classificados - Um segredo fechado

.

* * *

publicado por Cleópatra M.P. às 14:44
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 12 de Fevereiro de 2011

 

 

Mais um excelente livro de Colleen McCullough!

 

A continuação do clássico Orgulho e Preconceito de Jane Austen.

 

 

 

* * *

 

* * *

 

 

'Toda a gente conhece a história de Elizabeth Bennet, que se casou com Mr. Darcy em "Orgulho e Preconceito".

Mas o que aconteceu a Mary, a sua irmã? Todas as irmãs de Mary conquistaram o seu destino: Jane tem um casamento feliz e uma grande família; Lizzie e Mr. Darcy ganharam uma extraordinária reputação social; Lydia conquistou uma reputação bem diferente; e Kitty é requisitada pelos salões mais luxuosos de Londres. Mary, por outro lado, é uma mulher transformada, agora independente de obrigações familiares. Decide escrever um livro onde põe a nu os males do seu país e o drama dos pobres. Mas as suas viagens de pesquisa irão colocar em risco a sua própria vida – e acabarão por lançá-la nos braços do homem que a inspirou. Da brilhante escritora Colleen McCullough, autora de "Pássaros Feridos", um livro de aventuras e romance, em que uma mulher forte e independente deixa a sua marca no mundo.'

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito!

Quarta-feira, 9 de Fevereiro de 2011

 

 

* * *

 

* * *

 

For beautiful eyes, look for the good in others;

  

for beautiful lips, speak only words of kindness;

 

and for poise, walk with the knowledge that you are never

 

alone.

 

 

Audrey Hepburn 

(1929 - 1993)

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:12
link do post | comentar | favorito!

Domingo, 6 de Fevereiro de 2011

 

 

Lembrei-me do belo clássico de Lou Reed.

 

 

 


Lou Reed - Perfect Day

 

 

 

Just a perfect day
drink Sangria in the park
And then later
when it gets dark, we go home

Just a perfect day
feed animals in the zoo
Then later
a movie, too, and then home

Oh, it's such a perfect day
I'm glad I spend it with you
Oh, such a perfect day
You just keep me hanging on
You just keep me hanging on

Just a perfect day
problems all left alone
Weekenders on our own
it's such fun

Just a perfect day
you made me forget myself
I thought I was
someone else, someone good

Oh, it's such a perfect day
I'm glad I spent it with you
Oh, such a perfect day
You just keep me hanging on
You just keep me hanging on

You're going to reap just what you sow
You're going to reap just what you sow
You're going to reap just what you sow
You're going to reap just what you sow
 
 
Lou Reed, Perfect Day, 1972
 
 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 18:36
link do post | comentar | favorito!

 

 
I am my voice that I haven't known,
I am the truth inside the chaos,
I am the rights of the people suffering in tyranny,
I am freedom fighters that aren't afraid,
I am the secrets that didn't die,
I am free, my words are free!
Don't forget the price of the bread!
I am the secrets of the Red Rose, whose redness people adore but bury its scent.
The Rose rises with a coat of fire and calls freedom fighters!

 

 

 

Amel MATHLOUTHI - Tunisian girl sings a song during demonstraitons

 

 

 

publicado por Cleópatra M.P. às 17:06
link do post | comentar | favorito!

Sábado, 5 de Fevereiro de 2011

 

 

Sol no meu corpo

 

Sol na minha pele

 

Sol na minha alma.

 

 

* * *

 

 

 

 

* * *

 

Que belo dia, o de hoje!

  

Radioso, radiante e cheio de boa(s) energia(s).

 

 

 

                                            

                                                 * Laid Back - Sunshine Reggae *

  

 

publicado por Cleópatra M.P. às 22:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito!

Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

 

Eis os bombons que te dou:

 

Uma imagem captada por mim

e

dois versos de um poema de Alexandre O'Neil, que tão bem conheces.

 

* * *

 

 

 

* * *

 

"Há palavras que nos beijam
 
Como se tivessem boca."
 
 
Feliz Aniversário, P.H.!
 
publicado por Cleópatra M.P. às 13:00
link do post | comentar | favorito!

Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2011

 

Excelente!

 

De Colleen McCullough.

 

 

 

* * *

 

* * *

 

 

'Chegada a Sidney depois de uma difícil viagem, Elizabeth Drummond, de 16 anos, encontra-se com o seu futuro marido e descobre, para sua infelicidade, que ele a assusta e repugna. Sem outra hipótese, casa com ele e fica relegada numa quinta algures no imenso campo australiano. Nem sequer faz ideia que ele mantém uma amante, a sensual e extrovertida Ruby Costevan.'
 
 
publicado por Cleópatra M.P. às 17:41
link do post | comentar | favorito!

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

16
18

20
21
23
26

27


Tradutor | Translator
Free counters!